Muitas pessoas que chegam no meu consultório se queixam que tem compulsão, mas quando eu peço para me contar como é essa “compulsão”, eu chego até a ficar aliviada! A verdade é que elas não sabem de fato o que significa compulsão.

O que acontece é que hoje em dia, vivemos cercados de regras sobre a alimentação. Sobre o quê e o quanto devemos e podemos comer, que acabamos por nos desconectar das nossas referências internas de fome e saciedade, e acabamos por pensar que qualquer consumo alimentar fora desse “padrão idealizado” é uma compulsão!

A boa notícia é que, muitas das vezes em que as pessoas se dizem “compulsivas”, não se trata, de fato, de uma compulsão!

Mas afinal, o que significa compulsão?

A compulsão alimentar, conforme já falamos aqui, é muito mais do que cometer um exagero alimentar ocasional; a compulsão alimentar é um forte sintoma do Transtorno do Comer Compulsivo, que é uma doença psiquiátrica que precisa ser tratada de forma multiprofissional e especializada.

Um episódio de compulsão envolve um consumo muito grande de alimentos, de forma muito rápida, num espaço de tempo curto de até 2h – podendo chegar até 14 mil calorias, o que é muito mesmo! Ou seja, não é comer um pouco a mais, é comer extremamente a mais que o normal.

Então, para ajudar a desmistificar o significado de compulsão, vou explicar aqui O QUE NÃO É COMPULSÃO!

E o que não é compulsão alimentar?

Muitas são as motivações que nos levam a comer: nutrir o corpo, questões culturais e sociais, simbolismos, lembranças, recompensas e o PRAZER!

Lembre-se que comer é um dos maiores prazeres da vida! E o sabor é a razão nº 1 pela qual as pessoas escolhem os alimentos! Pensando desta forma, podemos  entender que é normal exagerar vez ou outra, quando a comida está gostosa e a companhia agradável!

Também é normal exagerar após se privar de algo por muito tempo, como por exemplo, quem está de dieta e se priva de comer doce; daí, quando se autoriza a comer, acaba exagerando.

Portanto, exagerar numa sobremesa gostosa, comer um pedaço de pizza a mais ou “chutar o balde” de vez em quando é normal e não significa compulsão, especialmente quando não está se permitindo comer em paz.

O problema está quando esses exageros, que deveriam ser esporádicos e pontuais, começam a ficar muito frequentes, comprometendo a saúde e gerando culpa, ansiedade, angústia e vergonha. Neste caso, o ideal é buscar ajuda de um profissional qualificado para te ajudar, pois pode ser que haja um problema aí.

Acho importante lembrar, que a mentalidade de dieta, as regras alimentares, a dicotomização dos alimentos entre “mocinhos e vilões” e o próprio fato de fazer dietas são condições restritivas que assustam o cérebro e são gatilhos para comer de forma exagerada e até desencadear um episódio compulsivo de fato.

Em outras palavras, toda restrição gera uma compensação, e no caso dos alimentos é a mesma coisa. Restrição gera compulsão!

Quer um exemplo prático? Vamos lá!

Toda vez que você faz uma dieta ou se priva de alimentos ou grupos alimentares, você está se restringindo; seu cérebro não gosta nada disso, e entende essa restrição como uma ameaça à sobrevivência, aumentando seu desejo pelos alimentos “proibidos” até o momento em que você não aguenta mais e come de forma exagerada para compensar essa restrição.

Agora que você já sabe o que significa compulsão e a diferença de um exagero alimentar considerado normal, além do que pode te levar a ter esses comportamentos, fique mais atento ao seu comer, prestando atenção aos pensamentos e sentimentos que surgem quando você sente o impulso de comer de forma exagerada.

Busque entender se essa vontade de comer muito é motivada por algum tipo de restrição ou compensação, ou mesmo se é emocional.

Uma solução inicial para você diminuir  esses exageros e ajudar o tratamento da compulsão é fazer as pazes com a comida.

E você sabia que a “fome emocional” é a fome que mais faz engordar? Eu criei um programa online que através de vídeo aulas, materiais e atividades práticas ajudam as pessoas a identificar o comer emocional e suas diferentes formas até às mais extremas que é a compulsão alimentar.

O programa online também te dará ferramentas, dicas e práticas para você identificar os seus gatilhos e refletir sobre seu comportamento.

Vamos juntos nessa mudar esse comportamento? Se inscreva agora no programa online Efeito Sophie no Comer Emocional!

Quer saber mais sobre a Fome Emocional, dá o play no vídeo abaixo do meu canal:

Bon appétit!

Separei também esses outros artigos que vão te ajudar nesse caminho, dê uma olhada:

E você, já passou por algum episódio de exagero? Comente aqui embaixo, mas lembre-se, o diagnóstico de um médico especializado é essencial para te ajudar a seguir um caminho com mais leveza e felicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *