Bem-estar

Como curar gordura no fígado? 2 fatores principais

Você fez exames de sangue e ultrassonografia de rotina para acompanhar sua saúde. De repente, o susto: você está com esteatose hepática, mais conhecida como gordura no fígado. E agora, o que fazer?
Claro que você deve seguir as indicações do seu médico ou nutricionista, especialmente se tiver outros problemas de saúde, abuso de álcool ou mesmo se estiver tomando algum medicamento.
Mas, no entanto, esse texto pode te ajudar a refletir e melhorar ainda mais a sua conduta.
Não se desespere! Vamos falar a seguir sobre como ajudar a melhorar e curar gordura no fígado com medidas simples, sem neuras e sem estresse.

Chave para curar gordura no fígado: mudanças no estilo de vida

Na maioria das vezes, o tratamento não é medicamentoso. Então, é importante considerar o que causa gordura no fígado para pensarmos na recuperação.
A gordura no fígado geralmente está associada a sobrepeso, obesidade, diabetes, síndrome metabólica (pressão alta, resistência à insulina, níveis elevados de colesterol e triglicérides), sedentarismo e até à perda brusca de peso (resultado das dietas restritivas, por exemplo).
Sabemos que as mudanças no estilo de vida impactam diretamente nesses fatores que citei acima e são a melhor forma de ajudar a tratar e curar a gordura no fígado: então vale a pena rever seu estilo de vida e melhorá-lo.
Essas mudanças incluem, principalmente, dois fatores:

  • modificações na alimentação
  • inclusão de atividade física no dia a dia.

É sempre bom lembrar que as orientações a seguir, sobre como curar gordura no fígado, não substituem a necessidade do acompanhamento profissional e individualizado.

Primeiro de tudo: diga não às dietas

Ao falar em mudanças na alimentação, muita gente associa imediatamente a dietas ou restrições. E, quando se trata de gordura no fígado, muitos pensam, inclusive, que é necessário restringir a gordura da alimentação.
“Cortar a gordura” ou fazer qualquer outra restrição ou dieta não é a melhor via para curar a gordura no fígado. Muito pelo contrário, podem atuar na contramão do tratamento, pois a dieta restritiva assusta o cérebro e coloca você em risco de ganhar todo o peso perdido de volta.
Como consequência das dietas e das restrições, o cérebro desenvolve um mecanismo de proteção, aumentando a fome e diminuindo o metabolismo, influenciando no armazenamento de gordura.
Além disso, é possível que você fique obcecado pelos alimentos considerados proibidos, o que pode gerar ainda mais problemas futuros.
E, como eu disse no início do texto, a gordura no fígado também pode resultar de uma perda brusca de peso, resultado de dietas restritivas.
Portanto, por esses e outros inúmeros motivos, diga não às dietas!

Comer melhor para curar gordura no fígado

É importante colocar que passamos por uma transição nutricional, com mudanças no padrão alimentar.
Houve um aumento significativo no consumo de ultraprocessados (como refrigerantes, sucos de caixinha, bolachas recheadas, iogurtes industrializados, entre outros), em detrimento dos alimentos in natura e minimamente processados (arroz, feijão, carnes, ovos, leite, frutas, legumes, verduras, castanhas, etc.).
Temos como resultado uma alimentação rica em açúcares e gordura, e pobre em fibras e nutrientes. Consegue imaginar no que isso pode acarretar?
A nível mundial, essa mudança no padrão alimentar está correlacionada tanto com o aumento das taxas de sobrepeso e obesidade quanto com a incidência de gordura no fígado na população, como demonstrado por algumas pesquisas.
Não é para ser radical e excluir os alimentos ultraprocessados. A ideia não é restringir, e sim melhorar a qualidade das refeições: ou seja comer mais alimentos in-natura e menos ultraprocessados.
Dessa forma, os alimentos naturais e minimamente processados (verdadeiros) deveriam ser a base da alimentação. Ao incluir mais destes alimentos, é possível diminuir o consumo de ultraprocessados de forma gradativa, sem sentir nenhum tipo de frustração.
Outra maneira eficaz de realizar essa mudança na alimentação é “botando a mão na massa”: cozinhar! Antigamente, os alimentos, como o iogurte, não vinham prontos do mercado, eram feitos em casa.
Então, que tal fazer o seu próprio iogurte em casa? É fácil e você poderá adicionar o que mais gostar (frutas, aveia, sementes, castanhas…), sem estar sujeito aditivos e quantidade exagerada de açúcar.
Quer fazer seu próprio iogurte caseiro? Veja essa receita super fácil que gravei:

Excluir a frutose para curar a gordura no fígado: mito ou verdade?

Já foi comprovado que consumir açúcares livres e, mais especificamente frutose, em excesso pode aumentar as chances de desenvolver gordura no fígado.
Isso quer dizer é necessário excluir o açúcar e a frutose da alimentação para curar a gordura no fígado (como dizem por aí)?
Não! Equilíbrio e moderação são fundamentais.
Mas é importante estar consciente, e repensar sobre alguns alimentos que estão na nossa mesa habitualmente.
Um bom exemplo: você acha que é mais saudável trocar o refrigerante pelo suco de caixinha?
Se você respondeu “sim”, é  importante reavaliar.
O suco de caixinha tem uma quantidade exagerada de açúcar livre, que também pode aparecer disfarçado com outros nomes na lista de ingredientes, como “suco concentrado de maçã” ou mesmo “frutose”.
“Ué, mas a frutose não é o açúcar da fruta?”, você deve estar se perguntando.
Pois você está absolutamente certo. A frutose é o açúcar da fruta e não devemos temê-la! Quando comemos a fruta, a frutose vem acompanhada das fibras, que retardam a absorção rápida desse tipo de açúcar.
As fibras das frutas estão sendo apontadas como importantes para ajudar a prevenir várias doenças. No nosso intestino, funcionam como uma vassourinha, retardando que o corpo absorva os excessos de gordura e de carboidratos.
Voltando aos sucos, geralmente a versão de caixinha deixa de lado a fibra das frutas. E, como falei, é, muitas vezes, adicionado mais açúcar (ou frutose). Resultado: mais açúcar e frutose livres para serem absorvidos.
O suco natural seria uma opção mais interessante para quem tem gordura no fígado? Depende.  O que é mais natural sempre conversa melhor com o nosso corpo, mas, nesse caso, ainda há uma grande quantidade de frutose (principalmente se o suco for coado).
Reflita: para fazer um copo de suco de laranja, por exemplo, usamos quatro laranjas em média. A maioria da fibra vai embora (o bagaço) e, em um copo, teremos quatro vezes mais frutose.
Sendo assim, para quem tem (ou não) gordura no fígado, a melhor opção para hidratar o corpo é beber água. A água é a melhor bebida que existe!
Uma boa opção para quem está acostumado com os sucos é aromatizar a água com pedaços de frutas e especiarias. Água geladinha vai bem com: abacaxi e hortelã, morango e manjericão, maçã com canela, rodelas de limão…use a sua criatividade!
E, ainda, consumir a fruta pode ser bem mais interessante. São ricas em fibras, vitaminas e minerais potentes para o nosso organismo. Além disso, o Brasil tem uma diversidade de frutas incrível, devemos aproveitar!
A fruta pode aparecer no nosso dia como sobremesa, nos lanches, no café da manhã, e até acompanhando algum prato na refeição principal. Existe uma infinidade de combinações, experimente!

O comportamento é tão importante quanto o alimento!

Quando pensamos em como curar a gordura no fígado, não podemos deixar de lado a parte do comportamento. Você já parou para pensar na forma como faz as refeições?
Com o dia a dia agitado, é comum comer “correndo”. Essa pressa pode acabar interferindo nas percepções de fome e saciedade, e até no prazer em comer.
Em decorrência disso, comemos maiores quantidades sem perceber e sem saborear os alimentos. É como se estivéssemos no “modo automático”.
É importante que as refeições sejam feitas de forma tranquila, mastigando com calma, com atenção aos sinais do corpo. Comer com atenção pode ser um grande prazer, e o corpo agradece!

Atividade física não é só academia

Inserir atividade física na rotina não significa que você terá que começar a frequentar a academia (a menos que você goste!).
O exercício não deve ser uma punição para curar a gordura no fígado, mas sim um momento de relaxamento e prazer.
Portanto, escolha um exercício que você goste e isso irá  fazer com que ele realmente se torne parte da sua rotina. É importante consultar um educador físico, pois ele poderá ajudar a escolher a melhor atividade para você.
Movimentar-se mais de uma forma geral também é uma boa pedida. Alguns estudos mostram que estar mais ativo auxilia na diminuição da gordura visceral que está intimamente ligada com a gordura no fígado.
Por isso, medidas como andar mais a pé e menos de carro, passear com o seu cachorro, usar escadas ao invés do elevador, entre outras, também são essenciais.

Concluindo

Para curar a gordura no fígado, coma melhor (e não menos!), com tranquilidade e prazer! Mova-se mais e celebre tudo o que o seu corpo pode lhe proporcionar!
Essas medidas trazem muitos outros benefícios à sua saúde. Ao melhorar nosso estilo de vida, também podemos ser a melhor versão de nós mesmos!
Agora que você já sabe um pouco sobre como curar gordura no fígado, separei mais três artigos para você:

E você? O que tem feito para ter uma vida mais saudável? Conte pra mim aqui nos comentários:

2 Comentários. Deixe novo

  • Gostaria saber se pode fazer atividade de física para idosa tem mais 60 anos?. A minha mãe tem problema do fígado, se ela pode ou não?. Toma os remédios todos dia ao tratamento do fígado.

    Responder
    • Nathália Uliana
      30 de julho de 2021 8:04 pm

      Olá Lidiane!
      Para perguntas específicas, sugerimos que busque auxílio de um profissional de saúde especializado. Em uma consulta ele poderá avaliar sua mãe de forma individualizada e te orientar de uma forma mais assertiva.
      Um abraço,
      Nathalia – Equipe Sophie

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Para você
Curso online - Efeito Sophie no Comer Emocional

Vontade de comer doces no final do dia?
Conheça os vários tipos de fome e saiba lidar melhor com a fome emocional, aquela que te faz querer comer muitos doces quando chega o final do dia.

Cursos e programas para você

Descubra uma nova abordagem da sua alimentação e mude sua vida com essa metodologia aplicada em 3 cursos especiais.

É colega de profissão?

Descubra uma nova abordagem da nutrição e mude seu atendimento a pacientes.

Artigos Relacionados

Menu