Nutricoaching

O que é modelo transteórico? Incrível psicologia da mudança

O modelo transteórico é um instrumento de apoio para a mudança comportamental do indivíduo.

Seja para mudar hábitos alimentares, combater a dependência química, ansiedade e diversos outros comportamentos, essa abordagem é dividida em 5 etapas:

  1. Pré-contemplação;
  2. Contemplação;
  3. Decisão ou preparação;
  4. Ação;
  5. Manutenção.

Foi desenvolvido por James Prochaska e Carlo DiClemente, 2 pesquisadores norte-americanos que realizavam estudos com tabagistas. No entanto, eles elaboraram os princípios básicos para explicar a mudança de comportamento para ser aplicado para diversos hábitos.

Mais à frente vou explicar para vocês cada um desses estágios de mudança comportamental, mas antes gostaria de explicar para você a importância de usar essa ferramenta em seus atendimentos.
Vamos lá?

Por que usar o modelo transteórico?

Geralmente em atendimentos com profissionais de saúde, e principalmente naqueles tratamentos em que é desejável uma mudança de comportamento alimentar, considera-se que os pacientes já estão prontos para mudar, o que pode não ser verdade.

Pensando nisso, o modelo transteórico pode contribuir com o tratamento, uma vez que vai levar em consideração os distintos estágios de mudança comportamental e as atitudes relacionadas à alimentação e à saúde, correspondentes a eles.

A abordagem do modelo transteórico tem as mudanças comportamentais, determinantes para um estilo de vida saudável, como um elemento central. No entanto, apenas recentemente a Nutrição e a Saúde têm dado atenção ao comportamento alimentar, que é tão importante quanto o que comemos, surgindo inclusive, a abordagem da Nutrição Comportamental.

Em qualquer um dos estágios acima, o profissional de saúde pode ajudar o paciente no processo de mudança, pensando junto com ele sobre as barreiras que o impede de mudar, buscando soluções para os seus problemas, estimulando a motivação e proporcionando melhores resultados e mais saúde para o paciente.

Como aplicar? modelo transteórico e os 5 estágios de mudança comportamental

1 – Pré-contemplação

Nessa etapa dos estágios de mudança comportamental, as frases “Eu não posso” e “Eu não quero” são bem representativas. Existe uma negação ou simplesmente o paciente desconhece que tem um problema. Ele pode estar resistente e defensivo diante da possibilidade de mudança de comportamento alimentar.

Como o paciente não está pronto para mudar, o profissional de saúde deve agir justamente no estabelecimento de uma relação de confiança, sem julgamentos e evitando confrontos. É o momento de estimular a motivação e apresentar ao paciente os riscos dos seus comportamentos e hábitos atuais.

Esse também pode ser o momento de perceber-se como se está no momento presente, ou seja, buscar a auto aceitação como primeiro passo para a mudança, como mostro nesse vídeo:

2 – Contemplação

É o momento em que o paciente pensa: “eu poderia”. Ele começa a desejar a mudança, mas ainda não está totalmente certo sobre isso.

O profissional pode ajudar o paciente identificando os problemas e definindo com ele metas simples que podem ajudá-lo a se sentir mais seguro e a perceber mais os “prós” que os “contras” da mudança de comportamento nutricional.

3 – Decisão ou preparação

“Eu posso” e “Eu vou” são frases que representam esse estágio. O paciente pretende alterar seu comportamento em um período próximo, na semana ou no mês que vem, por exemplo. Ele se sente comprometido e confiante.

Esse seria o paciente “ideal”, pois está pronto para mudar. Sempre em conjunto com ele, o profissional pode construir um plano de mudança que seja adequado e viável, considerando também as dificuldades que inevitavelmente irão surgir. Pensar o que pode ser feito diante das problemáticas e quando as coisas não saem exatamente como o planejado.

Você também pode trabalhar com seu paciente a necessidade de ser flexível e de não se cobrar tanto, lembrando que as mudanças de comportamento alimentar devem ser graduais e de acordo com o tempo de cada um.

4 – Ação

“Eu sou” e “Eu faço” são frases que ilustram muito bem esse estágio de mudança, pois, de fato, o paciente alterou seu comportamento. É um momento que requer bastante comprometimento para colocar em prática o que foi planejado. É necessário ter em mente que nessa etapa podem existir impulsos para retornar a comportamentos do passado.

O profissional deve apoiar o paciente, encorajando-o e trabalhando a solução de problemas. Caso necessário, o plano pode ser revisto e reformulado. Ter uma rede de apoio (familiares, cônjuge, amigos, colegas de trabalho) pode surtir ótimos efeitos, como também compartilhar essa mudança com outras pessoas. É necessário criar novos desafios para dar continuidade ao plano.

5 –  Manutenção

“Eu ainda sou” e “Eu ainda faço” representam esse momento. A pessoa modificou o comportamento e as mudanças têm sido mantidas por um tempo considerável.

O foco é a prevenção de recaídas e a consolidação dos ganhos obtidos até então. Mas sempre lembrando ao paciente que as recaídas são normais. O melhor é reconhecer o positivo e reforçar o que foi conquistado no período. Proponha um plano de seguimento e explore estratégias para superação dos problemas.

Por fim, gostaria apenas de lembrar que esses estágios de mudança comportamental não são lineares, ou seja, ao longo do tratamento o paciente pode ir e vir de um para o outro.

Com isso em mente, você já pode utilizar o modelo transteórico nos seus atendimentos! Mas se ainda não ficou muito claro, talvez esse resuminho também possa ajudá-lo:

Quer saber mais sobre modelo transteórico?

Se quer saber mais sobre modelo transteórico, psicologia comportamental alimentar e outras ferramentas que podem ser utilizadas no seu consultório, tenho uma dica final para você.

Após muitos pedidos de profissionais de saúde que entraram em contato comigo, criei o curso Método Sophie.

Ao publicar “O Peso das Dietas”, notei uma necessidade de colegas da área de se atualizarem na ciência da Nutrição em relação ao peso, obesidade e transtornos alimentares, além da área comportamental – algo que ainda não é estudado nas faculdades.

O meu objetivo é apresentar uma Nutrição com Ciência e Consciência e fornecer ferramentas para um atendimento mais personalizado e humanizado, com foco na mudança do comportamento e na construção de uma relação mais saudável com a comida.

A propósito, tive a honra de formar centenas de profissionais de saúde em mais de 20 estados pelo Brasil, entre nutricionistas, médicos e psicólogos.

Veja o que eles acham da minha metodologia:

Se você se identifica com essa linha de trabalho, não deixe de conferir mais informações sobre o curso abaixo:

→ Saiba mais informações sobre o curso!←

E se ainda não for o momento de fazer o curso, fica à vontade também para assistir uma das minhas próximas palestras ou mesmo agendar uma consulta no meu escritório.

Referências
ALVARENGA, Marle et al. Nutrição Comportamental. 2.ed. Barueri – SP: Manole, 2019.
DICLEMENTE, Carlo et al. Por que é Tão Difícil Mudar? Synopsis, 2017.

Se gostou deste artigo sobre modelo transteórico, provavelmente vai adorar ler estes posts que separei para você:

  1. O que é Coaching de emagrecimento? Como funciona? Como aplicar?
  2. Ferramentas de coaching nutricional? o que é? como aplicar?
  3. O que é nutrigenômica?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Saúde PRO
Método Sophie

O curso presencial está de volta!
Passe 8 dias com a Dra. Sophie Deram e sua equipe de professores e adquira o conhecimento e as ferramentas para ter um atendimento mais humanizado, melhorar a adesão do seu paciente ao tratamento nutricional e conseguir as mudanças que farão a diferença em seu bem-estar e saúde.

Cursos e programas para você

Descubra uma nova abordagem da sua alimentação e mude sua vida com essa metodologia aplicada em 3 cursos especiais.

É colega de profissão?

Descubra uma nova abordagem da nutrição e mude seu atendimento a pacientes.

Artigos Relacionados

Menu