À medida que a ciência avança, questionamos as descobertas e a nossa prática profissional. Na Nutrição, por exemplo, muitas críticas construtivas têm sido dirigidas ao modelo prescritivo. Uma vez que por si só, esse modo de fazer não é capaz de proporcionar mudanças de comportamento alimentar.

Com isso, ouvimos falar bastante em dicas de coaching de emagrecimento, uma vez que a perda de peso é um dos objetivos mais buscados pelas pessoas. Por isso, neste post vamos entender o que é, como funciona e 4 dicas para aplicar o coaching de emagrecimento na sua prática profissional.

O que é coaching de emagrecimento?

Coaching de emagrecimento é uma ferramenta da nutrição comportamental que utiliza os princípios de coaching para gerar resultados. A abordagem sugere um processo centrado no cliente ou paciente para facilitar a conquista de objetivos.

A Nutrição Comportamental deixa a prescrição de dieta de lado e foca nas mudanças comportamentais e em uma relação de paz com a comida.

Essa corrente da Nutrição utiliza diversas técnicas e estratégias que apresentam evidências científicas e que se mostram bastante efetivas na busca de saúde, conceituada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”.

Com isso, ouvimos falar bastante em dicas de coaching de emagrecimento, uma vez que a perda de peso é um dos objetivos mais buscados pelas pessoas. No entanto, ainda que as ferramentas de coaching sejam úteis para o nutricionista, o coaching com foco no emagrecimento merece alguns cuidados. Vamos entender por quê?

Coaching sim, mas sem focar no emagrecimento

Nossa sociedade valoriza bastante a magreza. Dessa forma, difunde-se na sociedade a ideia de que perder peso trará mudanças radicais na vida das pessoas e todos os seus problemas estarão resolvidos.

Por isso, tanta gente deseja emagrecer e buscam diversas maneiras para isso, inclusive coaching de emagrecimento. Essa valorização da perda de peso é vista também na Nutrição. Nas consultas tradicionais geralmente os profissionais de saúde determinam quantos quilos devem ser perdidos em determinado período de tempo de acordo com o Índice de Massa Corpórea (IMC).

No entanto, já sabemos que o peso e o IMC não são bons indicadores de saúde. Pessoas magras podem ser saudáveis ou não. O mesmo vale para quem apresenta excesso de peso.

O paciente pode perder peso, ser classificado com o peso adequado pelo IMC, mas ter conseguido isso a partir de dietas restritivas, que não dão certo a longo prazo. O infográfico a seguir ilustra bem essa lógica:

E para entender em mais detalhes porque a abordagem de dietas restritivas não é sustentável com risco de desidratação, perda de músculos, nutrientes e com grande possibilidade de efeito sanfona, veja o vídeo a seguir:

Mas então, qual deve ser o foco do coaching de emagrecimento?

A resposta é: mudança de comportamento. Dessa forma, o paciente poderá ter mais saúde e atingir um peso saudável como consequência de seus hábitos alimentares.

E o coaching pode ajudar os nutricionistas nisso. Vamos ver como?

Como funciona o coaching de emagrecimento?

Agora que você já entendeu que o peso não deve ser o foco de um tratamento com nutricionista, é provável que esteja se perguntando como direcionar a consulta para a mudança de comportamento.

Posso te ajudar com algumas dicas. Não são dicas de coaching de emagrecimento, mas sim atitudes e modos de se comunicar melhor que podem ajudar e muito na mudança de hábitos alimentares e como consequência, contribuir com o peso saudável do paciente.

Vamos às dicas!

1. Não julgar

Não fazer juízo de valor sobre os comportamentos ou o estilo de vida do paciente. De uma forma geral, as pessoas já se sentem muito culpadas e envergonhadas pelo que comem e isso gera ainda mais desejo pelos alimentos vistos como proibidos. Essa atitude de não julgamento pode contribuir para uma relação de confiança com o paciente e para bons resultados no tratamento.

2. Compreender os sentimentos e necessidades do paciente

Com essa postura compreensiva é possível identificar porque as pessoas comem certas coisas, de determinada forma e porque essa atitude provoca sentimentos e emoções. Quando o paciente se sente compreendido fica mais à vontade para se abrir e conquista dos objetivos torna-se mais fácil.

3. Colocar o paciente no centro do processo

O paciente deve ser o centro do processo, por isso não determine o que ele deve fazer. Aja como um facilitador que ajuda o paciente a questionar sua situação e a definir metas e objetivos de forma gradual, respeitando seu tempo e sua rotina.

4. Evite a mania de consertar as coisas

Trata-se do sentimento de querer ajudar imediatamente alguém, consertando algum problema identificado ou dando sugestões de soluções. Por exemplo, se paciente diz que está com o colesterol alto, imediatamente sugerimos que consuma mais azeite de oliva.

Infelizmente, ainda que tenhamos boa intenção, o reflexo de consertar as coisas não é muito efetivo, pois para haver maior comprometimento, é inteligente a solução partir do paciente e não do profissional. Em vez disso, use o questionamento para fazer a pessoa pensar sobre o que ela mesma pode fazer para mudar a situação.

Agora que você já conhece essas dicas de coaching de emagrecimento, gostaria de deixar claro que qualquer nutricionista pode utilizá-las em seus consultórios, mas para ser considerado coach necessita de uma formação específica. Também vale lembrar que os profissionais de saúde são os mais indicados para atuarem como coaches voltados para o desenvolvimento da saúde, ainda que essa regulamentação seja bem falha em nosso país.

Como aplicar o coaching de emagrecimento na sua prática profissional?

Se você tem interesse em coaching de emagrecimento e quer um acompanhamento mais próximo para incorporar o coaching em sua prática profissional, eu tenho uma boa notícia para você.

Após muitos pedidos de profissionais de saúde que entraram em contato comigo, criei o curso presencial Método Sophie.

Ao publicar o livro O Peso das Dietas, notei uma necessidade de colegas da área de se atualizarem na ciência da Nutrição em relação ao peso, obesidade e transtornos alimentares, além da área comportamental – algo que ainda não é estudado nas faculdades.

O meu objetivo é apresentar uma Nutrição com Ciência e Consciência e fornecer ferramentas para um atendimento mais personalizado e humanizado, com foco na mudança do comportamento e na construção de uma relação mais saudável com a comida.

A propósito, tive a honra de formar centenas de profissionais de saúde em mais de 20 estados pelo Brasil, entre nutricionistas, médicos e psicólogos.

Veja o que eles acham da minha metodologia:

Se você se identifica com essa linha de trabalho, não deixe de conferir mais informações sobre o curso abaixo:

→ Saiba mais informações sobre o curso presencial !←

Referências

ALVARENGA, Marle et al. Nutrição Comportamental. 2.ed. Barueri – SP: Manole, 2019.

Se gostou deste artigo sobre coaching de emagrecimento, provavelmente vai adorar ler estes posts que separei para você:

  1. O que é nutrigenômica?
  2. Especialização em nutrição à distância.
  3. Quando procurar um nutricionista?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *