Alimentação infantil
alimentação saudável na educação infantil
alimentação saudável na educação infantil

Como promover uma alimentação saudável na educação infantil?

A educação infantil é o primeiro período da educação básica e inclui crianças de zero a cinco anos de idade. Conhecida também como primeira infância, nesta etapa há um desenvolvimento acelerado da criança.

Motivo que faz com que a promoção de uma alimentação saudável na educação infantil seja ainda mais necessária. Nessa fase, o processo de ensino-aprendizagem busca o desenvolvimento de aspectos como:

  • cognitivos;
  • motores;
  • físicos;
  • emocionais e sociais.

Quer entender melhor a importância da alimentação saudável na educação infantil? Continue por aqui para saber a resposta e conhecer 10 dicas para implementar esse tipo de alimentação.

Vem comigo!

Qual a importância da alimentação saudável na educação infantil?

Ter uma alimentação saudável na educação infantil contribui para o crescimento e desenvolvimento da criança, bem como para a prevenção de doenças.

Crianças bem alimentadas têm maiores chances de ficar mais interessadas nas atividades educativas. Além de mais concentradas, com mais energia para brincar e se divertir.

Promover bons hábitos alimentares na infância é benéfico também para a fase adulta. Pois, muitos dos hábitos alimentares adquiridos na infância perpetuam-se com a idade.

10 dicas para uma alimentação saudável na educação infantil

É essencial que as crianças tenham acesso a uma alimentação segura do ponto de vista sanitário.Ou seja, com nutrientes adequados para o seu crescimento e desenvolvimento e que permitam que elas amadureçam em paz com a comida e com o corpo.

Para isso, algumas dicas práticas são bem vindas. Separei 10 para você, são elas:

  • fale de maneira positiva sobre os alimentos;
  • considere que as crianças se autorregulam;
  • não ofereça açúcar para as crianças menores de dois anos;
  • não foque no peso;
  • deixe as crianças longe de dieta restritiva;
  • ofereça uma alimentação variada;
  • incentive o consumo de novos alimentos;
  • ofereça água;
  • não faça barganha;
  • torne o ambiente da alimentação agradável.

Veja abaixo os detalhes de cada uma dessas dicas que podem ajudar tanto os pais, quanto cuidadores, professores e toda a comunidade escolar com a comida das crianças.

1- Fale de maneira positiva sobre os alimentos

Atualmente existem muitos moralismos acerca da alimentação. É comum dividir os alimentos como “bons” ou “ruins”, “proibidos” ou “permitidos”. No entanto, essa divisão pode levar a um sentimento de culpa por parte das crianças e até mesmo a um maior desejo por esses alimentos.

2- Considere que as crianças se autorregulam

É comum se preocupar com a quantidade de comida que a criança come. Mas para uma alimentação saudável na educação infantil o melhor é confiar nos sinais de fome e saciedade que são bastante aguçados na infância.

A criança sabe a hora de comer e quando parar de comer. Confie nela!

3- Não ofereça açúcar para crianças menores de dois anos

Não há necessidade de oferecer alimentos com excesso de açúcar, como guloseimas, doces, chocolates, biscoitos recheados, sucos e refrigerantes a crianças menores de dois anos. Dê oportunidade de consumirem alimentos nutritivos de todos os grupos alimentares e só então permitam que conheçam os doces e, nesse caso, com moderação.

4- Não foque no peso da criança

Tenha em mente que seu filho está em fase de desenvolvimento, por isso focar no peso e na ideia de emagrecer não é a melhor saída. Na verdade, acreditamos que magreza é sinônimo de saúde, mas não é. Existem corpos saudáveis de todos os tamanhos e formas. 

Sem falar que estar saudável inclui uma boa saúde mental. E essa obsessão por reduzir os quilos na balança e por um corpo magro não contribuem em nada para a saúde mental das nossas crianças.

Em vez do peso, preze por uma alimentação saudável e por bons comportamentos alimentares. Assim, seu filho chegará a um peso saudável sem estresse nem cobranças.

5- Deixe as crianças longe de dietas restritivas

Restrição alimentar não traz benefícios para os adultos e muito menos para as crianças, mesmo que apresentem obesidade infantil. Não esqueça que elas precisam de nutrientes para crescer, se desenvolver, brincar e se divertir.

Além disso, dietas são muito estressantes! No longo prazo levam à redução do metabolismo e aumento do apetite.

Para saber mais porque dieta não é para criança, assista o vídeo abaixo.

6- Ofereça uma alimentação variada

Em vez de restrição, uma alimentação saudável na educação infantil deve ter como base comida fresca e caseira e ser composta de alimentos de todos os grupos alimentares:

  • leguminosas, como os feijões;
  • cereais;
  • raízes e tubérculos;
  • frutas, legumes e verduras;
  • castanhas e nozes;
  • leite e derivados;
  • carnes e ovos.

Com esse tipo de alimentação, a criança poderá ter acesso aos nutrientes e energia que necessita.

7- Incentive o consumo de novos alimentos

Introduzir novos alimentos pode não ser uma tarefa fácil na alimentação da primeira infância. Para torná-la mais tranquila, o melhor é não pressionar. Ofereça o alimento várias vezes, mas sempre respeitando o tempo das crianças.

Dê oportunidade para elas brincarem com a comida, sentindo a textura e o cheiro até sentir-se à vontade para experimentar o sabor. Também é importante que não sejam oferecidos muitos alimentos novos ao mesmo tempo.

8- Ofereça água sempre que necessário

A água é o melhor líquido para a criança se manter hidratada. Se ela está com sede, não ofereça sucos ou outras bebidas ao invés dela. Mesmo os naturais podem conter bastante açúcar proveniente das frutas e deixar o estômago da criança cheio, interferindo na sua percepção de fome e saciedade.

E não esqueça que sucos para bebês menores de um ano não são recomendados. Mesmo após essa idade, devem ser consumidos ocasionalmente, dando preferência àqueles preparados com frutas in natura.

9- Não faça barganha

“Se comer legumes, pode comer o chocolate”. Evite esse tipo de barganha se quer oferecer uma alimentação mais saudável para crianças. Atitudes como essa podem levar a criança a acreditar que os legumes não são bons e a supervalorizar o chocolate. Além disso, premiar ou consolar as crianças com alimentos pode contribuir para que elas passem a descontar seus sentimentos na comida, como acontece em casos de comer emocional.

10- Torne o ambiente da alimentação agradável

Por fim, um ambiente agradável, limpo, tranquilo e sem comentários sobre o corpo das crianças ou sobre a quantidade de comida que consomem pode contribuir bastante para uma alimentação saudável na educação infantil.

Saiba mais!

Aproveitando que estamos falando sobre a importância da alimentação saudável na educação infantil, deixo aqui também a indicação do meu programa online Efeito Sophie na Alimentação Infantil, criado em parceria com a nutricionista Janaina Kühn.

Eu também sou mãe de quatro filhos! E quis criar esse programa com o intuito de ajudar milhares de mães e pais de família que buscam uma alimentação equilibrada e fácil de levar no dia a dia.

São quatro módulos online, que você pode assistir quando estiver indo para o trabalho ou na academia. Eles vão te ajudar a repensar a alimentação como uma parceira na sua vida e não uma vilã que só te estressa.

Se interessou? Conheça mais sobre o programa online Efeito Sophie na Alimentação Infantil.

Referência:

TRIBOLE, Evelyn; RESCH, Elyse. Comer intuitivo. 1.ed. Rio de Janeiro: Sextante, 2021.

Se gostou desse artigo, veja também esses outros que separei para você:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Para você
Dra Sophie Deram

Consultas, cursos, palestras … Conheça melhor a Dra Sophie e o que pode fazer para você.

Artigos Relacionados