Nutricoaching

O que é adesão ao tratamento? Como melhorar? (OMS)

Nutricionistas, psicólogos, médicos, educadores físicos, fisioterapeutas, entre outros profissionais de saúde, têm como um dos desafios proporcionar a adesão ao tratamento pelo paciente, evitando o abandono e consequências negativas para a saúde.

A não adesão pode ser considerada até mesmo um problema de saúde pública e, como já deve ter percebido, simplesmente prescrever um medicamento ou uma dieta não são garantia de que o paciente irá aderir ao processo terapêutico, pois trata-se de uma tarefa complexa e multifatorial.

Aqui você pode aprender um pouco mais sobre adesão ao tratamento e conferir algumas dicas para melhorar a adesão dos seus pacientes.

Vamos lá? 

O que é adesão ao tratamento?

A Organização Mundial de Saúde definia, em 2001, a adesão ao tratamento como “o grau com que o paciente segue as instruções médicas”. No entanto, essa definição pode ser vista como insuficiente, pois existe uma gama de intervenções usadas em tratamentos, como também diversos profissionais de saúde podem estar implicados em processos terapêuticos.

A adesão envolve buscar atendimento com profissionais de saúde, tomar medicamentos de forma adequada, comparecer a consultas de acompanhamento e buscar mudanças comportamentais, como hábitos de vida saudáveis, incluindo a alimentação e a prática de atividade física.

Além disso, o tratamento consiste em uma relação que se dá entre paciente e profissional que deve ser pautada na corresponsabilidade, ou seja, o paciente não deve ser visto como um sujeito passivo.

Dessa forma, a adesão ao tratamento pode ser melhor definida como: até que ponto o comportamento de uma pessoa (tomar medicação, adotar uma alimentação saudável, executar mudanças no estilo de vida) corresponde às recomendações acordadas com um profissional de saúde.

Mas o que leva à não adesão?

Muitos fatores podem interagir e influenciar o seguimento de um tratamento, criando barreiras. Entre eles temos:

  • Fatores socioeconômicos: pobreza, baixa escolaridade, ausência de apoio social e familiar.
  • Fatores relacionados ao tratamento: efeitos colaterais (por exemplo: aqueles dos medicamentos e das dietas restritivas), duração e falhas do tratamento.
  • Fatores relacionados ao paciente: estresse, ansiedade em relação ao tratamento; baixa motivação; conhecimentos inadequados sobre os problemas de saúde, falta de aceitação da necessidade de tratamento; crenças negativas sobre a eficácia do tratamento; baixa participação no acompanhamento.

Como melhorar a adesão ao tratamento? Confira 7 dicas

Ao aderir ao tratamento, evita-se complicações na qualidade de vida, na saúde física e mental, bem como desperdícios de recursos médicos.

Para melhorar a adesão ao tratamento é importante que o paciente participe ativamente com os profissionais de saúde, a partir de uma boa comunicação, que é essencial para uma prática clínica eficaz. Para isso, trago aqui 7 dicas que podem ajudar você nisso.

1. Conheça seu paciente

Isso diz respeito a ter conhecimento dos seus problemas de saúde, condições clínicas, experiências anteriores, hábitos. Mas também envolve olhar com empatia e escutá-lo falar sobre questões subjetivas, que envolvem a percepção do problema de saúde, medos, angústias, problemas com o peso e com o corpo.

2. Trabalhe a motivação

Um profissional de saúde não é capaz de motivar um paciente, pois a motivação é um impulso interno, influenciado pelas nossas interpretações individuais, que nos faz agir de determinada forma para atingir nossos objetivos. No entanto, é possível estimular a motivação de alguém, o que pode ser um dos objetivos do atendimento.

3. Identifique barreiras comportamentais à mudança

Converse com o paciente sobre o que o impede de tomar determinadas atitudes e mudanças que fazem parte do seu tratamento, e reflitam juntos sobre o que pode ser feito para transpor essas barreiras.

4. Defina metas de forma colaborativa

O tratamento deve buscar a saúde, e, portanto, a autonomia do paciente. Desse modo, ele deve participar ativamente do processo, tomando as rédeas da situação. Os profissionais de saúde devem atuar como facilitadores, apoiando e indicando os melhores caminhos.

5. Não coloque a perda de peso como objetivo principal

O excesso de peso é considerado um fator de risco para diversas doenças crônicas, e muitas vezes é visto como central em tratamentos. No entanto, o peso não é um comportamento e é mais eficaz focar em mudanças de hábitos alimentares, que consequentemente levarão à perda de peso saudável.

6. Use uma linguagem adequada

A comunicação é imprescindível em um atendimento. Por isso é importante dar espaço para que seu paciente possa se expressar, como também certificar-se de estar sendo bem compreendido. Evite utilizar jargões e palavras pouco usuais e esteja atento também ao atender pessoas com necessidades especiais, garanta a inclusão.

7. Seja flexível

Leve em consideração que cada pessoa tem um tempo e respeite o momento do seu paciente. Também lembre-se que as estratégias do tratamento que envolvem principalmente mudanças comportamentais não são imediatistas. Elas podem acontecer mais ou menos rapidamente. Isso vai depender de cada um. Perceber isso é também uma habilidade que vai sendo desenvolvida pelo profissional aos poucos.  

Dica final sobre adesão ao tratamento

Se quer saber mais sobre a adesão do seu paciente ao tratamento, tenho uma dica final para você.

Após muitos pedidos de profissionais de saúde que entraram em contato comigo, criei o curso Método Sophie

Ao publicar “O Peso das Dietas”, notei uma necessidade de colegas da área de se atualizarem na ciência da Nutrição em relação ao peso, obesidade e transtornos alimentares, além da área comportamental – algo que ainda não é estudado nas faculdades.

O meu objetivo é apresentar uma Nutrição com Ciência e Consciência e fornecer ferramentas para um atendimento mais personalizado e humanizado, com foco na mudança do comportamento e na construção de uma relação mais saudável com a comida. 

A propósito, tive a honra de formar centenas de profissionais de saúde em mais de 20 estados pelo Brasil, entre nutricionistas, médicos e psicólogos. 

Veja o que eles acham da minha metodologia:

 

Se você se identifica com essa linha de trabalho, não deixe de conferir mais informações sobre o curso abaixo:

→ Saiba mais informações sobre o curso!←

E se ainda não for o momento de fazer o curso, fique à vontade também para assistir a uma das minhas próximas palestras ou mesmo agendar uma consulta no meu escritório.

Referências

ALVARENGA, Marle et al. Nutrição Comportamental. 2.ed. Barueri – SP: Manole, 2019.

WHO. Adherence to long-term therapies: evidence for action. 2003.

Se gostou deste artigo sobre adesão ao tratamento, provavelmente vai adorar ler estes posts que separei para você:

  1. Inspire-se em frases de nutricionista. Faça as pazes com a comida!
  2. O que é Coaching de emagrecimento? Como funciona? Como aplicar?
  3. Em dúvida? Saiba tudo sobre a faculdade de nutrição

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Saúde PRO
Método Sophie

O curso presencial está de volta!
Passe 8 dias com a Dra. Sophie Deram e sua equipe de professores e adquira o conhecimento e as ferramentas para ter um atendimento mais humanizado, melhorar a adesão do seu paciente ao tratamento nutricional e conseguir as mudanças que farão a diferença em seu bem-estar e saúde.

Cursos e programas para você

Descubra uma nova abordagem da sua alimentação e mude sua vida com essa metodologia aplicada em 3 cursos especiais.

É colega de profissão?

Descubra uma nova abordagem da nutrição e mude seu atendimento a pacientes.

Artigos Relacionados

Menu