Emagrecer com saúde
calorias
calorias

Entenda tudo sobre densidade calórica e porque não usá-la para emagrecer

Quando o assunto é perder peso, geralmente se fala em buscar alimentos de baixa densidade calórica. Mas será que esse é mesmo o caminho? 

Vem comigo para entender os mitos da densidade calórica e ainda aprender 4 dicas que vão te ajudar a perder peso de forma saudável e contínua.

O que é densidade calórica?

A densidade calórica é a medida de quantas calorias há em uma determinada quantidade de alimento.

Alimentos de alta densidade calórica têm muitas calorias concentradas em uma pequena quantidade de alimento, como o azeite de oliva, que em 100 g apresenta 800 calorias. 

Já os alimentos de baixa densidade de calorias contém poucas calorias para uma mesma quantidade, por exemplo, a alface, que apresenta apenas 9 calorias em 100 g.

Como fazer o cálculo de densidade calórica?

Se você quer saber como fazer o cálculo de densidade calórica, é muito simples, basta dividir as calorias pela quantidade do alimento em gramas.

Densidade Calórica =  Calorias ÷ Peso (g)

Com base nisso, os alimentos podem ser classificados em:

  • densidade calórica muito baixa: de 0 a 0,7 calorias por grama de alimento. Folhas, legumes, frutas, refrigerante zero.
  • densidade calórica baixa: de 0,7 a 1,5 calorias por grama de alimento. Ovo cozido, abacate, feijões e cereais.
  • densidade calórica média: de 1,5 a 4 calorias por grama de alimento. Exs.: Ovo frito, carnes.
  • densidade calórica alta: de 4 a 9 calorias por grama de alimento. Exs.: azeite, manteiga, batata frita.

Assim, o azeite é um alimento de alta densidade calórica, com 8 calorias por grama, enquanto a alface é um alimento de muita baixa densidade com 0,09 calorias por grama de alimento.  

Quer perder peso? Não foque na densidade calórica dos alimentos. Entenda por quê.

Muita gente acredita que para ter saúde e perder peso basta escolher alimentos de baixa densidade calórica

No entanto, essa é uma visão muito simplista da alimentação e da saúde. E sabe por quê?

Veja só, para comer saudável podemos comer de tudo, isso é certo, mas é importante consumir mais comida fresca e caseira

Pense em um refrigerante zero, ele simplesmente não tem calorias, é um alimento de muita baixa densidade calórica, mas é ultraprocessado, apresenta muitos aditivos alimentares e é pobre em nutrientes. Além disso, por ter adoçantes em vez de açúcar, seu cérebro pode se sentir enganado e gerar uma maior busca por alimentos açucarados. Por todos esses motivos é interessante que não seja consumido frequentemente.

Por outro lado, o azeite de oliva é um alimento de alta densidade energética, mas não há problema em consumi-lo diariamente e usá-lo para cozinhar – com moderação –,  pois além de saboroso, é nutritivo. Claro, com isso também não quero dizer que possa consumi-lo exageradamente, o que, na verdade, não deve acontecer com nenhum alimento. 

Sem falar que existem muitas coisas envolvidas com as calorias. Nosso corpo não é uma máquina, é biologia. Assim, até mesmo nossa microbiota intestinal influencia o metabolismo e o modo como processamos os alimentos.

4 dicas para deixar a densidade calórica de lado

Agora que já entendeu porque deve deixar a densidade calórica de lado quando se trata de perder peso, pode estar se perguntando, o que fazer, então. Aqui eu trago 4 dicas. Confira!

1- Foque na mudança de hábitos

Deixe a densidade calórica de lado e tudo o que remete a ela. Em vez disso, concentre-se em adotar bons hábitos alimentares e de vida. Assim, terá como consequência ganhos em saúde.

2- Ouça seus sinais de fome e saciedade

 Muita gente busca o déficit calórico, conteúdo de energia dos alimentos e alimentos de baixa densidade energética, deixando a alimentação por conta de fatores externos. Mas o melhor caminho é ouvir as mensagens internas que seu corpo envia quando está com fome e fornecer combustível a ele, bem como parar de comer quando se sentir saciado. 

3- Cozinhe mais

Indo para a cozinha adquirimos mais autonomia e  nos tornamos mais conscientes do que estamos colocando no nosso prato. Cozinhar também pode ajudar a consumir mais comida fresca e caseira, tão importante para a nossa saúde.

Falo mais sobre os benefícios de cozinhar no vídeo abaixo.

Claro, sei que cozinhar demanda tempo. Experimente tirar um momento para cozinhar refeições para toda a semana, congelando as porções. Assim, você economiza tempo e tem alimentos sempre disponíveis.

E quando não quiser ou não der para cozinhar mesmo, opte por locais que oferecem comida de qualidade, como os restaurantes por quilo.

4- Faça as pazes com a comida

Dê a si mesmo permissão incondicional para comer, o que não é o mesmo de sair por aí comendo tudo sem nenhum critério. 

Na verdade, quer dizer que você pode comer de tudo, mesmo alimentos de alta densidade calórica. Nada de restrição! Quando restringimos certos alimentos, podemos nos sentir privados e realmente sentir muito desejo por eles. Se você já fez dietas restritivas e cortou o chocolate, por exemplo, certamente sentiu muita vontade de comer esse alimento. 

Quando nos permitimos comer de tudo, evitamos essa perda de controle diante da comida e fica mais fácil se satisfazer com uma quantidade normal de alimentos.

Saiba mais!

Quer entender mais sobre dieta de emagrecimento? Te convido a conhecer o meu curso online Efeito Sophie!

Nele, eu não vou falar sobre as últimas dietas da moda, alimentos milagrosos ou fórmulas mágicas de emagrecimento. Até porque não acredito em nada disso!

A minha missão é te ajudar a fazer as pazes com a comida e corpo, a identificar o seu comportamento e relacionamento diante da comida. Para que, enfim, você possa encarar a alimentação como algo prazeroso, sem estresses e muito menos culpa. 

Com algumas dicas práticas, sempre focando na sua saúde e no seu bem-estar, você poderá alcançar o SEU peso saudável, de forma gradual e duradoura. O peso é consequência da sua saúde.

Vamos juntos nessa? 

→ Se inscreva e comece hoje mesmo o curso online Efeito Sophie! ← 

Não é o melhor momento para fazer o curso? Não tem problema! Te convido a ler o livro O Peso das Dietas, assistir uma das minhas próximas palestras ou mesmo agendar uma consulta se precisar de um acompanhamento mais personalizado. 

Bon appétit!

Referência

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Can eating fruits and vegetables help people to manage their weight?. Research to Practice Series, No. 1, 2012.

NEPA. UNICAMP. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos [TACO]. 4. ed. rev. e ampl. Campinas: NEPA- UNICAMP, 2011. 

Se gostou deste artigo sobre densidade calórica, provavelmente vai adorar ler estes posts que separei para você:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Para você
Dra Sophie Deram

Consultas, cursos, palestras … Conheça melhor a Dra Sophie e o que pode fazer para você.

Artigos Relacionados