Bem-estar

Riscos da cirurgia bariátrica: você sabe quais são eles?

Você já deve ter ouvido bastante sobre as transformações que acontecem na vida de quem se submete à redução do estômago. Muitos quilos a menos e a conquista da autoestima são alguns exemplos. Por outro lado, falta muita informação sobre as consequências e riscos da cirurgia bariátrica.

As chances de sucesso são grandes para aqueles que têm acesso a um bom acompanhamento no pré e pós-operatório, junto à uma equipe multidisciplinar (médicos, nutricionistas e psicólogos). Somente a partir deste esforço conjunto é possível rever hábitos e adotar um novo estilo de vida.

Mas nem sempre é assim: nem todos os pacientes têm entendimento, preparo psicológico e mesmo condições financeiras para encarar a avalanche de mudanças físicas e emocionais que se desencadeiam a partir desta decisão.

Por isso, hoje quero falar de alguns dos riscos da cirurgia bariátrica e das consequências e adaptações mais comuns, coisas que os próprios pacientes tendem a relatar.

O objetivo não é assustar, mas sim, abrir o jogo de maneira mais objetiva e sem o glamour vendido em matérias sensacionalistas.

Riscos da cirurgia bariátrica

Este é um procedimento complexo e, como toda intervenção cirúrgica, pode ter complicações e até mesmo levar à morte. Perfuração, sangramento interno, vômitos, infecções, fístula e embolia pulmonar são alguns dos riscos.

Após a cirurgia, os cuidados devem ser redobrados porque o corpo pode ficar desnutrido. Isso é bastante comum, uma vez que a ingestão de comida diminui brutalmente em função da diminuição do estômago.

O paciente passa a comer uma quantidade bem menor, e, às vezes, cai também a qualidade da alimentação. Esse quadro pode induzir à carência de macro ou micronutrientes, como vitaminas e minerais, gerando vários problemas de saúde como por exemplo anemia, queda dos dentes ou cabelos.

Nas cirurgias que também incluem o desvio intestinal (como no Bypass gástrico), a absorção dos nutrientes pode ser ainda mais reduzida, porque o alimento fica menos tempo em contato com o intestino.

Por estes e outros motivos, quem passa por esta cirurgia precisará se submeter a exames médicos regulares e fazer acompanhamento nutricional para o resto da vida.

Já ouvi de pacientes que a relação com os médicos vira um verdadeiro casamento, ou seja, pra sempre! Ter essa disciplina faz toda a diferença na qualidade de vida.

Veja também: Quem pode fazer cirurgia bariátrica?

Adaptações físicas

Acho importante também falar das consequências físicas do pós-cirúrgico que podem ser consideradas como riscos da cirurgia bariátrica. Embora variem de paciente para paciente, estas reações são bastante frequentes, especialmente nos primeiros meses após a realização do procedimento.

Uma das mais conhecidas é a síndrome de dumping, que ocorre pelo fato de o alimento passar rápido do estômago para o intestino, especialmente os que são ricos em gordura e/ou açúcar. Isso pode acarretar queda de pressão, diarreia, sudorese, náuseas, fraqueza, taquicardia e cefaléia.

E já que estamos falando das adaptações físicas pelas quais o corpo passa, vale destacar a flacidez, que acaba sendo um incômodo para grande parte dos pacientes.

O excesso de pele que fica depois da cirurgia pode gerar problemas de autoestima, e alguns pacientes optam por fazer uma segunda cirurgia reparadora.

Adaptações comportamentais

Um dos maiores riscos da cirurgia bariátrica sob o ponto de vista comportamental é o de desenvolver transtornos alimentares, ou, ainda, intensificar os que já existiam antes da cirurgia e não foram diagnosticados adequadamente.

A compulsão alimentar é algo muito comum entre eles. Entenda no vídeo abaixo a relação entre cirurgia bariátrica e a compulsão alimentar:

 

Por incrível que pareça, este transtorno não impede a pessoa de fazer a cirurgia – o que, para mim, é um grande problema. Grande parte dos pacientes vão para a sala de cirurgia sem antes fazer uma reavaliação comportamental.

Nestes casos, o que ocorre é bem previsível.

Durante o período de “lua de mel” com a cirurgia, que dura em média 6 meses a 2 anos, é só alegria: a perda de peso é acelerada e a felicidade diante do espelho é grande.

Passado este período, o peso pode estacionar e a pessoa pode acabar voltando aos antigos comportamentos. Com isso, pode voltar a ganhar peso, se sentir frustrado, passar a comer por motivos emocionais e até mesmo querer apostar, de novo, em dietas restritivas, que são ainda mais perigosas para os pacientes bariátricos, pois já estão com risco de já estarem desnutridos.

Isso pode mexer muito com o estado emocional, trazendo tristeza, angústia e depressão.

Alguns pacientes até podem transferir a compulsão por comida por outra coisa, como compras, álcool ou jogos.

Apesar de todos os riscos da cirurgia bariátrica citados acima, reforço que, quando se trata do corpo humano, cada caso é um caso. É preciso conversar com os profissionais de saúde envolvidos para entender que a cirurgia não resolve tudo. É preciso compreender que, mais do que perder peso, o passo mais importante para ter saúde e qualidade de vida é fazer as pazes com a comida e com o próprio corpo.

Bon appétit!

E agora que já conhece os riscos da cirurgia bariátrica, confira também esses conteúdos:

Que tal conhecer meu método Efeito Sophie, que ensina a transformar sua relação com a comida e a voltar a escutar os sinais do seu corpo? São seis semanas com vídeos e materiais que vão explicar sobre hábitos alimentares, e como recuperar o prazer de comer. Saiba mais!

44 Comentários. Deixe novo

  • O que a Dra. Sophie fala é super importante. É necessário estar consciente, estudar sobre a cirurgia, e estar acompanhado pela equipe frequentemente. Eu fiz a cirurgia há 5 meses, estava muito preparada, não tinha compulsão, mas faço terapia há bastante tempo e continuo. Quem tem compulsão precisa tratar antes, senão terá problemas! A cirurgia não resolve sozinha, ela é um tratamento que te dá a oportunidade de mudar de vida.

    Responder
  • Anderson Luís Schmidt
    18 de janeiro de 2023 2:33 am

    Meu nome é Anderson. Tenho 47 anos e 1,72 m, peso incriveis 160 kg, estou realizando os procedimentos para cirurgia bariátrica desde Setembro/2022. A minha vida toda sempre fui esportista, mas apesar disto também tinha uma compulsão por comida e refrigerantes, principalmente na fase adolescente. Faço acompanhamento com psicóloga e nutricionistas, que são competentes e maravilhosas. Estou frequentando academia a mais de um ano e cuidando bastante de minha alimentação. Fui vitimado por dois AVCs e realizei cirurgia cardíaca de um problema crônico o qual nunca imaginei ser portador, um FOP, a mais de seis anos. Sou hipertenso e pré-diabético, faço uso de medicamentos e as minhas comorbidades estão controladas. Estou seguindo muito a risca tudo o que a equipe médica solicita. Mas tenho muito medo, que ocorra algo durante a cirurgia. Pode ocorrer alguma coisa errada?? Não estou certo se devo realizar tal procedimento, apesar do incentivo de todos que cercam minha pessoa.

    Responder
    • Olá Anderson!
      Agradecemos seu comentário aqui no Blog da Sophie e sentimos muito pelo o que você passou. É realmente muito interessante conversar com os profissionais de saúde que estão te acompanhando e alinhar as expectativas, tirar todas as suas dúvidas para que você fique tranquilo em relação a sua decisão.
      Um abraço,
      Nathalia – Equipe Sophie

  • Meu nome é Vilma Moreira
    4 de novembro de 2022 5:11 pm

    Boa tarde. Meu médico me aconselhou fazer a bariátrica pois tenho vários problemas de saúde. Como por exemplo exemplo sou diabética, pressão alta, gordura no fígado. Não tenho compulsão alimentar. Tenho problema de asma ansiedade e tenho depressão devido ao meu peso ,não me olha no espelho não consigo me encarar me encarar. Eu tenho 1,48 m e peso 112 kg já fiz de tudo perco peso mas volta tudo novamente. Não faço sobremesas não faço bolos para evitar de comer e não faço uso de açúcar mesmo assim não consigo emagrecer.. não posso fazer caminhada caminhada pois quebrei meu joelho e meu tornozelo. Não sou uma pessoa que fica comendo toda hora quando sinto fome entre as refeições como frutas e gosto muito de café com leite e torradas. Já estou na fila da bariátrica . Acabei descobrindo o seu blog pois estou fazendo várias pesquisas a respeito. Ah, não me lembro se mencionei que tenho gordura no fígado. A minha pergunta é seguinte. Após bariátrica. Ficarei livre do diabetes e do problema da gordura no fígado? Obrigado pela atenção aguardo resposta
    Tenha uma boa tarde

    Responder
    • Olá Vilma!
      Agradecemos por compartilhar esse comentário conosco e sentimos muito pelo o que está passando. Desejamos muita saúde e sucesso na sua cirurgia e sugerimos que você faça o acompanhamento posterior que será importante nesse tratamento, tudo bem?
      Um abraço,
      Nathalia – Equipe Sophie

  • Minha esposa fez a cirurgia e logo após teve uma fístula que conforme corrigida só q 5 dias após apareceu uma dor forte nos dois lados de traz do corpo, indo ao hospital nos informaram q era pneumonia com derrame pleural, só q ela está tomando medicamento a 4 dias e não teve nem 10% de melhora .
    Minha dúvida é?

    Se fosse fístula novamente ela estaria alimentando sem dor ??
    Pq ela já está no 16 dias pós operatório e já entrou na dieta pastosa, vcs podem me ajudar ?

    Responder
  • Flabiane Batista Coelho Barbosa
    25 de agosto de 2022 8:17 pm

    Eu depois da sirugia bariaguia todos os dias está mim dano uma forte dor de cabeça 😢

    Responder
    • Olá Fabiane!
      Sentimos muito por isso. Lembre-se do acompanhamento com um profissional de saúde, tudo bem?
      Desejamos melhoras.
      Nathalia – Equipe Sophie

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Para você
Dra Sophie Deram

Consultas, cursos, palestras … Conheça melhor a Dra Sophie e o que pode fazer para você.

Artigos Relacionados