Muitos pais, preocupados com o peso e com a saúde dos filhos, acreditam que dietas restritivas ou outros métodos radicais são a única saída para se estabelecer uma alimentação saudável na adolescência. Mas hoje estou aqui para mostrar caminhos mais eficientes e, com certeza, mais agradáveis do que obrigá-los a passar fome!

Sabemos que os dados sobre obesidade vêm crescendo a passos largos, e isso é comprovado por números. Um estudo liderado pelo Imperial College London e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostrou que o número de crianças e adolescentes obesos de cinco a 19 anos  aumentou dez vezes nos últimos 40 anos ao redor do mundo.

Ao mesmo tempo em que essa é uma questão de saúde pública, aumentando o risco de diversas doenças crônicas que até algumas décadas atrás eram “coisa de adulto”- como diabetes do tipo 2 e hipertensão -, também temos que observar os fatores comportamentais que influenciam a alimentação dos nossos jovens. São mais silenciosos, mas bem preocupantes e estamos vendo um número crescente de casos de transtornos alimentares.

Falar de alimentação saudável na adolescência sem abordar os aspectos psicológicos que marcam essa fase da vida seria uma perda de tempo, porque o comportamento é tão importante quanto o nutriente!

Então, vou listar aqui pontos importantes que todos devem estar atentos para garantir que essa geração chegue à vida adulta esbanjando saúde! Vamos lá?

1. Alimentação saudável na adolescência começa em casa!

Do ponto de vista nutricional, a recomendação é a mesma para qualquer faixa etária: é interessante, cada vez mais, ter rotinas, comer regularmente e, de preferência, comida mais fresca e caseira, ou seja aumentar o consumo de alimentos in natura e diminuir o de produtos ultraprocessados.

Veja também: O que são alimentos processados e ultraprocessados?

O Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (ERICA), feito com mais de 74 mil estudantes em todo o Brasil, entre 12 e 17 anos, publicado na Revista de Saúde Pública, mostrou dados interessantes nesse sentido.

Ela aponta que boa parte dos brasileiros nessa faixa etária costuma consumir os arroz e feijão – o que poderia ser considerado como uma alimentação saudável na adolescência.

Mas por outro lado, o consumo de bebidas açucaradas e alimentos ultraprocessados ainda é muito alto, o que está associado a uma baixa ingestão de cálcio, vitaminas A e E e ao consumo além do recomendado de gordura, sódio e açúcares.

Essa pesquisa mostra também que aproximadamente 10% dos jovens apresentam hipertensão arterial. E hoje já se sabe que a alimentação pode contribuir para  essa condição.

Então, é como seu sempre digo: a solução para uma alimentação saudável na adolescência pode começar dentro da cozinha de casa. Primeiramente, no mercado: vale a pena escolher alimentos mais  frescos e variados e deixar de comprar grandes quantidades de industrializados.

No lugar disso, aumentar a oferta de frutas, legumes e verduras, oferecendo, se possível, pelo menos as refeições principais com comida caseira.

Uma outra boa recomendação é tentar fazer algumas refeições juntos, em família, em torno da mesa. Isso é comprovadamente uma forma eficaz de prevenir a obesidade.

Então, para uma alimentação saudável na adolescência, uma dica de ouro: menos tempo comendo na frente das telinhas (tablet, celular e TV) e mais reunião em torno da mesa!

2. Comendo bem, não precisa fazer dieta!

Eu desencorajo dietas restritivas porque elas agridem o corpo e fazem com que o metabolismo passe a trabalhar de forma mais lenta, em busca de armazenar energia. Se você procura estabelecer uma alimentação saudável na adolescência, recomendo fugir dos métodos milagrosos e baseados em privação.

Quer entender mais porque eu digo não às dietas? Dá o play no vídeo:

Como eu disse no tópico acima, é mais interessante mudar os padrões alimentares, acostumando o paladar com sabores mais naturais e comendo comida fresca, do que entrar em dietas que podem gerar uma série de consequências negativas, especialmente para os adolescentes que estão em uma fase de desenvolvimento tão importante!

3. Foco mais na saúde, menos na estética

Outra coisa importante quando falamos em alimentação saudável na adolescência é buscar desassociar padrão de beleza de saúde. O importante é focar em cuidar do corpo e buscar equilibrar sua saúde.

Hoje em dia o padrão magro está em alta e existem muitos jovens que se submetem às mais variadas loucuras para entrar nas medidas exibidas pelas celebridades e influenciadores das redes sociais.

Mas nem todo mundo que está magro está saudável, e nem todo mundo que está com sobrepeso está com a saúde comprometida. É preciso que cada um respeite seu biotipo e busque sua melhor versão sem agredir o corpo. Sem colocá-lo em risco com dietas super restritivas, remédios “milagrosos” sem orientação médica ou longas horas de jejum sem nenhum tipo de acompanhamento.

Se você quer começar com o pé direito a ter uma alimentação saudável na adolescência, ou se você é pai ou mãe de um adolescente e quer ajudá-lo a construir uma relação melhor com a comida, comece pelo básico: a saúde está em dia?

Mantenha os exames de rotina em ordem e verifique se de fato há necessidade de alterar alguma coisa na alimentação ou no estilo de vida.

Se sim, não deixe de procurar um nutricionista, que é a melhor pessoa para orientar quanto às escolhas alimentares. Melhor ainda se for um profissional especializado em comportamento. A abordagem comportamental pode ajudar o adolescente a identificar gatilhos que o fazem comer demais – ou de menos – e mapear possíveis focos do “comer emocional”.

Eu sei como essa época pode ser desafiadora, afinal, também sou mãe de quatro filhos, passei por isso! Mas, como mãe e nutricionista, pude reunir algumas dicas e conceitos importantes que podem ser trabalhados na rotina da família.

Foi assim que criei o programa online Efeito Sophie – reuni em seis semanas de vídeo aulas online, tarefas e atividades online todos os ensinamentos para manter uma alimentação equilibrada para você, e vale para seu filho, pai, mãe, tios, e toda família!

A ideia é que você consiga transformar a sua relação com a comida, sem culpa e sem medo, alcançando o seu peso ideal de forma duradoura.

Que tal começar agora mesmo essa mudança? Inscreva-se no programa online Efeito Sophie e vamos juntos nessa.

Lembre-se: construir uma alimentação saudável e sólida na adolescência é a melhor maneira de entrar na vida adulta com saúde, em paz com com a comida e de bem com a própria imagem corporal.

Bon appétit!

Agora que você já sabe um pouco mais de como ajudar seus filhos a terem uma alimentação saudável durante a adolescência, confira esses outros artigos que separei para você:

E você, o que tem feito para ajudar na alimentação dos seus filhos? Conte aqui pra mim nos comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *