Se você já se perguntou o que é nutrição funcional, eu imagino que você já tenha visto sobre “alimentação funcional” e “receitas funcionais” em sites, revistas, no instagram e na TV.

Geralmente, tudo que é ligado ao tema do que é nutrição funcional vem carregado de informações e benefícios que são de encher os olhos, não é mesmo?

É por isso que estou escrevendo esse texto, para esclarecer sobre o que é nutrição funcional e te ajudar a ter uma alimentação saudável e sem neuras.

O que é nutrição funcional?

O conceito principal da nutrição funcional é usar as informações da ciência da nutrição para prevenir ou tratar doenças e distúrbios através dos nutrientes fornecidos pelos alimentos.

Segundo a ANVISA, alimentos funcionais são aqueles que possuem elementos (nutrientes e outros compostos) que podem auxiliar diretamente no funcionamento do nosso corpo e na prevenção de doenças.

Tem tido grande avanço na ciência sobre os compostos ativos dos alimentos e do efeito deles no nosso corpo. A nova ciência da nutrigenômica estuda justamente essas interações entre a informação dos alimentos e nossos genes. Os alimentos podem conversar com o nosso corpo e influenciar até nos nossos genes, sabia?

Particularmente, os que encontramos na natureza (e aqueles mais próximos do natural) se encaixam perfeitamente nesse critério: frutas e legumes, verduras, cereais, leguminosas, peixes, carnes, ovos, sementes, temperos naturais…

Eu sempre falo sobre isso por aqui. A natureza já nos traz uma infinidade de opções de alimentos que fazem um bem danado para a nossa saúde, além de compor refeições saudáveis, bem gostosas e caprichadas.

Mas, fique atento: saúde não é sinônimo de radicalismo

Apesar dos estudos sobre o que é nutrição funcional serem importantes para entendermos sobre a relação comida e saúde, é imprescindível ter discernimento para avaliar as informações que têm circulado sobre o tema.

É perigoso o discurso que vemos por aí sobre nutrição funcional que acaba priorizando apenas os nutrientes e não os alimentos. São muitas informações que podem acabar confundindo muito mais do que ajudando.

“Coma aveia por que é rica em fibras, auxilia no funcionamento do intestino e reduz o colesterol”. Será que esses são os únicos motivos pelo qual devemos comer aveia? Acho que não.

Vi certa vez na internet um site que estimulava a adição de uma mistura de aveia, chia e linhaça em todos os alimentos (até no arroz!), para diminuir o colesterol alto. Sabemos que não é bem por aí.

Da mesma forma que alguns alimentos são endeusados, vários outros alimentos e nutrientes são demonizados. O glúten, a lactose e o açúcar, por exemplo, se tornaram os vilões do momento.

Dentro dessa ideia errônea sobre o conceito do que é a nutrição funcional, teve gente que acabou trocando seu café com leite e pãozinho por suco verde e tapioca, pensando que esse seria o café da manhã ideal.

Nada contra o suco verde e tapioca, muito pelo contrário. O que eu quero dizer é que, por pensar apenas em nutrientes e não nos alimentos, muitas pessoas se forçam a comer o que não gostam, que não faz parte da sua cultura, imaginando que isso irá trazer mais saúde.

Indo por esse caminho, a nutrição funcional perde o caráter benéfico e pode se transformar em algo extremamente restritivo, que tem a ver com o ciclo vicioso das dietas, que comento no vídeo abaixo.

Pois é, a obsessão por alimentação saudável pode ser uma via para transtornos alimentares, como a ortorexia nervosa. Cuidado!

Fique atento ao ler esses termos relacionados ao alimento: “prejudicial à saúde”, “tóxico”, “veneno”, “lixo”, “porcaria”. Não acredito nesse tipo de nutrição que categoriza os alimentos como prejudiciais à saúde ou como milagrosos. Isso não existe!

Ter prazer em comer também é saudável!

O que não podemos esquecer é que saúde é um estado de completo bem-estar físico, social e mental – definição da Organização Mundial de Saúde.

Comer é um ato fisiológico e psicológico. Não podemos pensar no nosso corpo apenas como um “aglomerado de células”, mas que somos indivíduos com características únicas, gostos, vontades, cultura…uma bagagem que é só nossa.

Então, será que começar o dia comendo algo que é considerado saudável (mas você não gosta), vai te trazer mais saúde?

Diversos estudos demonstram que algumas doenças – diabetes, hipertensão, entre outras – estão mais correlacionadas aos excessos e a frequência com que isso ocorre no nosso dia a dia, e não ao consumo de um nutriente ou alimento em específico.

A conclusão é sempre a mesma, o equilíbrio é fundamental para ter uma alimentação saudável. A ANVISA, quando fala sobre os alimentos funcionais, também ressalta que o consumo desses alimentos deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.

Quando pensamos em hábitos saudáveis, não podemos esquecer da importância de dormir bem e fazer uma atividade física. Até fatores do meio em que vivemos também podem influenciar na nossa saúde – poluição e estresse são bons exemplos. Essas dicas de saúde e de qualidade de vida são realmente importantes quando pensamos  a saúde de forma integrada e abrangente.

Dessa forma, não há nada de errado no café com leite e pãozinho no café da manhã, minha gente!

Ao restringir alimentos do dia a dia entramos em conflito com o nosso cérebro, que não encara a restrição como benefício. Em pouco tempo, podemos criar uma fixação pelo alimento proibido e, quando nos permitimos comer, exageramos.

Restrição gera compulsão, você já deve ter visto por aqui, lembra?

Se não te relembro mais um vez:

De fato, sou a favor da ideia de que a nossa saúde está associada a uma boa relação com os alimentos de uma forma geral. É bem diferente de aderir a um modismo, é algo para a vida toda.

Para se alimentar de forma saudável não é preciso entender de nutrição funcional

Ficar pensando o dia todo sobre qual proteína/gordura/carboidrato/antioxidante irá comer, pode ser estressante. Você não merece isso! Deixe esse papo complicado sobre nutrição funcional, nutrientes e metabolismo para profissionais.

Comer de forma saudável é mais simples do que parece: não é preciso categorizar os alimentos, apenas priorize os que conversam melhor com o seu corpo.

Não existem vilões para a saúde, definitivamente, mas é mais interessante planejar seu dia a dia e basear sua alimentação nos alimentos in natura e minimamente processados.

Entenda mais sobre esses conceitos no texto “O que são alimentos processados e ultraprocessados”.

Então, se você não tem intolerância ao glúten ou à lactose, devidamente diagnosticado pelo profissional de saúde, não é preciso eliminar o pãozinho e o café com leite das suas manhãs. Comer o que gostamos faz parte de uma alimentação saudável e do comer normal, que explico em detalhes neste vídeo:

Até aquele mingau de aveia da vovó que você adora também é saudável. Não por conta apenas daqueles benefícios da aveia que eu falei anteriormente, mas também por que ele traz um aconchego e um conforto que são capazes de tornar o dia muito melhor.

Agora, se você sente que precisa melhorar sua alimentação, comece aos poucos. Um passo de cada vez.

Por exemplo, se você tem dificuldade para comer frutas, não é preciso comer logo de cara as 3 porções por dia recomendadas. Você pode começar inserindo uma fruta que você goste no café da manhã, até isso se tornar um hábito.

Dê o tempo que o seu organismo precisa para assimilar qualquer mudança, sem estresse. Se você tentou e não deu certo, não tem problema. Existem diversos caminhos para a alimentação saudável, você irá achar o seu.

Caso precise de uma mãozinha para começar, consulte um nutricionista da sua confiança.

Outra dica que pode funcionar para você é meu curso online Efeito Sophie.

Nele, eu não vou falar sobre as últimas dietas da moda, alimentos milagrosos e fórmulas mágicas de emagrecimento – até porque não acredito em nada disso.

Ao invés, eu vou te ajudar a identificar o seu comportamento e relacionamento diante da comida.

A minha missão é fazer com que você possa encarar a alimentação como algo prazeroso, sem estresses e muito menos culpa.

Com algumas dicas práticas, você poderá alcançar o SEU peso saudável, de forma gradual e duradoura.

→ Se inscreva e comece hoje mesmo o curso online Efeito Sophie! ←

Vamos juntos nessa?

Referências

Se você gostou dessa leitura sobre o que é nutrição funcional, provavelmente vai gostar também destas aqui que separei para você:

1 thought on “Você sabe o que é nutrição funcional? Descubra como se alimentar de forma saudável sem estresse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *