Nos últimos anos, essa sigla vem invadindo o universo dos pais que estão começando com a introdução alimentar do seus pequenos. Se você está nessa fase, provavelmente já ouviu essas letrinhas em consultórios, creches, festas, reuniões ou até mesmo em grupos sobre o tema nas redes sociais. Mas afinal, o que é BLW (Baby-Led Weaning)?

Então vamos começar da maneira mais simples, traduzindo esse termo para o português:

O que é Baby-Led Weaning?

Baby-Led Weaning quer dizer “desmame guiado pelo bebê”. Ou seja, no lugar das comidinhas amassadas oferecidas para o bebê com o auxílio da colher, é a própria criança que pega os alimentos com as mãos e leva até a boca.

Mas será que dá certo? É viável no dia-a-dia? Como surgiu esse conceito e por que todo mundo está falando sobre isso? Calma, pretendo esclarecer essas dúvidas até o final deste texto.

Mas antes de explicar melhor o que é BLW, é importante lembrar que esse artigo não substitui a orientação do pediatra ou do nutricionista materno infantil!

É muito importante avaliar e respeitar o ritmo de desenvolvimento de cada bebê, além de levar em consideração a dinâmica da sua família. Então, o acompanhamento com um profissional de saúde especializado é fundamental para auxiliar na escolha da abordagem que melhor se encaixa na rotina familiar do bebê. Vamos lá?

De onde surgiu o BLW (Baby-Led Weaning)?

O BLW foi idealizado pela britânica Gill Rapley, que em 2008 lançou o livro Baby-led Weaning: Helping Your Baby to Love Good Food (em tradução livre, “Desmame Guiado pelo Bebê: Ajudando seu Bebê a Amar Comida Boa”).

Desde então, a curiosidade sobre o que é BLW tem aumentado, afinal, é natural que as mães tenham interesse em novas formas de alimentar seus bebês.

Por volta dos seis meses de idade, o bebê já possui maturidade gastrointestinal, renal e motora para receber os alimentos sólidos e, de acordo com Rapley, a oferta de alimentos deve ser feita em pedaços, tiras ou bastões desde o início da introdução alimentar.

Por meio do BLW, o bebê se alimenta apenas com as mãos não sendo necessário o uso de colher nem de nenhum método de adaptação de consistência para preparar a refeição, como amassar, triturar ou desfiar. A autora defende que os pais respeitem a autonomia da criança de se alimentar sozinha. Os pais e cuidadores precisam então confiar que a criança sabe se deve comer, o que comer, o quanto e com que rapidez comer.

Porém, vale salientar que apesar de nessa abordagem o bebê ter autonomia para se auto alimentar, não se deve jamais deixar o bebê sozinho com os alimentos, até porque tudo é novo para ele! Pode ser que ele cuspa, engasgue, jogue para fora da mesa. Enfim, cada criança vai reagir de uma forma diferente e os pais devem ficar atentos aos sinais dados pelo bebê.

Além do mais, um dos preceitos do BLW envolve a inclusão do bebê nas refeições familiares, onde a comida que é disponibilizada para a ele é a mesma do restante da casa (sofrendo apenas pequenas modificações na forma de apresentação e de tempo de cozimento).

Para uma introdução segura e bem sucedida do BLW é importante lembrar que deve-se sempre posicionar o bebê sentado para se alimentar, permitir que ele se suje e interaja com a comida e dar o tempo necessário para a refeição sem pressioná-lo.

Agora que você já sabe o que é BLW, vamo aos benefícios desta abordagem.

Benefícios do Baby Led-Weaning e como funciona

Segundo Rapley, o fato de o bebê comer sozinho estimula a independência e a confiança, melhora a coordenação visual-motora, auxilia no desenvolvimento da mastigação e fortalece o vínculo e a responsividade entre o bebê e o seu cuidador.

Ela acredita também que essa interação com os alimentos permite que a criança explore mais os sentidos, entrando em contato com as cores, cheiros, sabores e texturas. A autora defende, ainda, que as crianças alimentadas através dessa abordagem, por vivenciarem essas experiências sensoriais, se tornam menos seletivas e as “batalhas” durante as refeições são menos frequentes.

Rapley explica que no passado, os bebês começavam a ser apresentados aos alimentos aos quatro meses de idade, por isso recomendava-se o uso de papinhas semi sólidas (que muitas vezes eram oferecidas na forma de “sopão”, com todos os alimentos misturados). Como hoje a introdução alimentar começa aos seis meses, a fase da papinha poderia ser pulada, segundo a autora.

Apesar do BLW poder ser mais trabalhoso e demorado, essa abordagem traz como benefício a aprendizagem do respeito aos sinais de fome e saciedade da criança (já que ela come o quanto quer, e quando quer).

Veja também: Alimentação saudável infantil: interação é fundamental!

Então oferecer alimentos na colher é pior?

Calma! Não é bem assim. O BLW é uma das alternativas de abordagem para se iniciar a introdução alimentar. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), ainda não existem evidências em trabalhos científicos e publicações em quantidade e qualidade suficientes para atestar que o BLW seja a única abordagem correta de introdução alimentar.

A recomendação da SBP é que ao iniciar a introdução alimentar, o bebê poderá receber os alimentos amassados na colher, mas também deverá experimentar com as mãos para que desta forma ele seja capaz de explorar as diferentes texturas dos alimentos como parte natural de seu aprendizado sensorial e motor.

E se você ainda tem dúvidas sobre como iniciar a alimentação complementar do seu bebê e está tentando implementar o BLW na sua casa, mas tem dificuldades ou simplesmente falta de tempo para encarar este processo, aí vão 3 lembretes importantes:

  1. Independente de você oferecer os alimentos na colher ou através da abordagem BLW, na minha opinião, o mais importante é oferecer uma alimentação variada para os seu filho, incluindo alimentos de verdade de todos os grupos alimentares – frutas, verduras, legumes, grãos, carnes de todos os tipos, etc. Essa variedade é importante para garantir um aporte de nutrientes adequado para o seu bebê nessa fase tão importante para o seu crescimento e desenvolvimento.
  2. Mais importante do que a abordagem que você escolheu, é você ser um exemplo de hábitos alimentares saudáveis para o seu filho! Tenha paciência, respeite o limites do bebê e seja um facilitador durante o processo de alimentação.
  3. O BLW é uma abordagem educativa que vai além de deixar a criança se alimentar sozinha. Portanto, se você se interessou por essa abordagem, é importante procurar um profissional especializado para lhe orientar!

Eu sei que pode ser um grande desafio manter uma alimentação saudável dos filhos. Mas essa fase da vida pode ser mais fácil do parece, acredite!

Pensando nisso, a Sophie Deram nutricionista e autora aqui do blog (e contra dietas restritivas!), em parceria com a nutricionista Janaína Kühn, criou o programa online Efeito Sophie na Alimentação Infantil para seu filho.

Se você:

  •     tem muitas dúvidas sobre quais alimentos escolher,
  •     que tipo de lanches dar para seu bebê (que em breve será uma criança maiorzinha),
  •     está cansado de briga e chororô a mesa e
  •     se sente às vezes perdido sobre como lidar com essa fase

Aconselho que você dê o play abaixo e saiba mais sobre o programa online:

Que tal essa fase sem dificuldades e com tranquilidade? Se inscreva agora no programa online Efeito Sophie na Alimentação Infantil!

Bon appétit!

(*) Estes critérios e outras informações sobre introdução alimentar podem ser encontrados no Guia Prático de Atualização do Departamento Científico de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, lançado em 2017.

E agora que você já sabe o que é BLW (Baby Led-Weaning), veja também esses outros artigos que separei para você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *