Comportamento Alimentar

O que é e como tratar a compulsão alimentar? Qual médico procurar?

É normal comer demais de vez em quando! Aí vem o clássico “ontem teve compulsão” e a palavra se banalizou. É importante entender que compulsão é diferente de exagero.
E, como tratar a compulsão alimentar?
Bem diferente de comer demais aos finais de semana ou em uma festa, a compulsão por comida se caracteriza pela ingestão de uma grande quantidade de alimentos em um curto período de tempo (até 2 horas) mesmo sem fome, com a sensação de perda de controle e muitas vezes comendo sozinho (escondido) por vergonha, até se sentir desconfortavelmente cheio.

A compulsão é a forma mais severa de fome emocional.
Conheça aqui o curso online Efeito Sophie no Comer Emocional que eu desenvolvi. Ele não dispensa você procurar uma ajuda especializada, mas pode ajudar no tratamento.

Engana-se quem pensa que é falta de “foco, força e fé”, fraqueza ou falta de disciplina.
Na verdade, a compulsão alimentar é um distúrbio do cérebro que precisa de tratamento com médico e pode ter como consequências um risco de ganhar peso em excesso e diminuir a sua autoestima, além de um profundo sentimento de culpa a cada novo ciclo.
O excesso de privações gerado pelas dietas restritivas é um dos principais fatores que aumentam o risco de se desenvolver a compulsão alimentar, devido ao aumento de desejo por comidas que não poderiam comer, gerando frustração, estresse e depressão.
Problemas com a aparência (imagem corporal) e dificuldade de lidar com questões emocionais são alguns dos gatilhos que também podem desencadear o quadro de compulsão, não conseguindo mais comer de forma tranquila, podendo até desenvolver transtornos alimentares.
Agora que você já sabe o que é, vamos ver algumas dicas de como tratar a compulsão alimentar? Primeiro procure um profissional de saúde especializado para avaliar, quem faz o diagnóstico é um médico psiquiatra. O tratamento é multidisciplinar com médico psiquiatra, psicólogo e nutricionista.
Você encontrará aqui uma lista de centros especializados em tratamento de transtornos alimentares.

Aprenda como tratar a compulsão alimentar: entender ela é o primeiro passo

Separei algumas dicas para tratar a compulsão alimentar, mas lembre-se de que é essencial conversar com um médico para ter um diagnóstico e tratamento preciso.

1- Abandone as dietas restritivas

Quando você restringe alimentos para emagrecer (aqui não estamos falando das restrições devidas a uma condição médica como alergia ou doença celíaca, por exemplo), o seu corpo responde aumentando o seu apetite para que você fique mais interessado em comer.
Ele faz isso por proteção e sobrevivência.
Mas, consequentemente, aumenta a sua obsessão pelos alimentos “proibidos” e o desejo de comê-los como “recompensa”, o que potencializa o risco de ter compulsões. Por isso, o primeiro passo para tratar a compulsão alimentar é não fazer dietas restritivas. Ou seja COMER!

2- Coma melhor, não menos

Muitas pessoas acham que para combater a compulsão alimentar é necessário controlar o que come e fazer restrições. Mas comer bem não é restringir quantidades, é ter a liberdade de comer de tudo, sem culpa, sem restrições, com prazer, escutando as suas emoções e a sua fome.
Faça as pazes com seu corpo, confie nele e o trate com carinho. Coma regularmente, de preferência comida nas refeições principais, para ter certeza que não está com fome.
Arrisque-se na cozinha, descubra novos sabores, faça comidas caseiras com temperos naturais, prove alimentos diferentes, tenha prazer nas refeições… Vai que ainda descobre um novo talento?
Alimentar-se com prazer, qualidade e respeitando o seu corpo, é uma ótima forma de diminuir os episódios de descontrole no caminho do tratar a compulsão alimentar.

3- Pergunta-se: Estou com fome?

Antes de se alimentar, avalie se realmente está com fome. Verifique de fato o que está sentindo. Escute o seu corpo e os sinais que ele te envia, dentre eles, os sinais de fome e saciedade.
Faça um diário alimentar para te ajudar nisso. Coloque nele os alimentos que ingere, horários e o que está sentindo: se é fome, angústia, tristeza, ansiedade, estresse… isso vai te auxiliar a identificar emoções para te ajudar a lidar com elas sem recorrer à comida e assim, respeitando a fome e assumindo as emoções você pode ter menos episódios de descontrole no caminho de tratar a compulsão alimentar.

4- Alimente-se com atenção plena (mindful eating)

Estar presente no momento da refeição e concentrar a sua atenção no momento de se alimentar reduz a impulsividade ao comer.
Essa impulsividade pode acontecer pela falta de planejamento, e contribuir para que se coma de maneira rápida e desatenta as sensações de fome e saciedade, sinais essenciais para regulação do apetite.
Tente sempre usar essas técnicas:

  • Escolha um ambiente tranquilo, coma devagar, mastigue bem os alimentos, explore novos sabores e sinta prazer ao se alimentar.
  • A atenção deve ser focada apenas ao que a comida proporciona, sem julgamentos do que ou quanto está se comendo.
  • Curta seu momento, sem ansiedade, sem culpa e atenta ao seu corpo! Saia da mesa satisfeito, você verá sua tranquilidade aumentar frente a comida.

5- Tenha horários para comer e procure segui-los

Jejum prolongado (ou comer menos do que o necessário) é um dos principais desencadeantes da compulsão.
Para evitar isso, crie uma rotina de horários para as refeições principais (café da manhã, almoço, café da tarde e jantar) e, caso precise de mais, faça outras refeições nos intervalos com alimentos de qualidade, assim, evita-se chegar ao momento da refeição “morrendo” de fome, podendo-se comer mais do que o necessário.
Essa nova rotina pode ajudar a fortalecer sua tranquilidade no caminho de tratar a compulsão alimentar.

6- Organize sua semana

Um bom planejamento te auxilia a organizar as suas refeições da semana, investindo em qualidade, e assim diminuindo o risco de comer alimentos não planejados.
Faça uma listinha de compras, selecione alimentos que gosta e capriche na qualidade e variedade.
Esta organização é muito benéfica para estar com mais opções quando bate uma fome e diminuir o descontrole no caminho de tratar a compulsão alimentar.

7- Faça atividades divertidas

Descobrir novas atividades que te dê prazer, sem estar relacionado à comida é uma ótima forma de diminuir a busca de alimentos como recompensa quando está no caminho de tratar a compulsão alimentar e também reduzir a ansiedade.
Busque atividades variadas que podem ser tão simples como sair com o cachorro. Você pode descobrir um talento (dança, pintura, escrita) ou ainda, ir atrás de atividades relaxantes como yoga ou meditação. Avalie o que você gostaria de aprender e agende uma aula teste. Além de se divertir e relaxar, a sensação de bem estar será maravilhosa!

8- Busque auxílio profissional

Como falei no começo do artigo: é muito importante buscar ajuda especializada, pois é muito difícil tratar a compulsão alimentar sozinho.
É um distúrbio do cérebro e nada melhor do que um profissional para te ajudar a se tratar e se reconectar com seu corpo e melhorar a sua relação com a comida.
Como vimos, tratar a compulsão alimentar é bem complexo e envolve algumas mudanças de questões comportamentais que necessitam da adesão de um tratamento com um profissional especializado para melhorar a sua relação com a comida e com seu corpo.
E lembre-se ter compulsão não é ser fraco, mas sim ter uma perda de controle fora da sua força de vontade!
Bon appétit!
Gostou das 8 dicas de como tratar a compulsão alimentar? Veja também:

Se você quer mudar a forma como se relaciona com a comida, te aconselho a conhecer aqui meu curso online Efeito Sophie no Comer Emocional. Ele foi pensado para te ajudar a saber identificar a fome emocional!
São duas semanas de vídeo aulas com dicas, ferramentas e práticas para explicar de onde vem a fome emocional, identificar os seus gatilhos e refletir sobre os seus comportamentos. Quer saber mais sobre esse tema? Veja o vídeo abaixo:

Se identificou? Conheça aqui o curso online Efeito Sophie no Comer Emocional e vamos juntos nessa!

12 Comentários. Deixe novo

  • Depois que minha mae faleceu ha 1 ano, desenvolvi uma compulsao alimentar, moro na Alemanha ha 15 anos, preciso de ajuda, ja fiz varias dietas e volto a engordar, agora estou com 86 kilos 1,63 m.

    Responder
    • Nathália Uliana
      13 de agosto de 2019 2:13 pm

      Olá Janet!
      Você conhece o curso Efeito Sophie? Nele você aprende a se alimentar de maneira intuitiva e a melhorar sua relação com a comida. É uma transformação que se baseia no aprendizado e autoconhecimento, com sugestões e dicas para que seja um processo de mudança sustentável.
      Para mais informações, acesse: https://www.sophiederam.com/br/efeito-sophie/
      Lembrando que casos de compulsão alimentar deve ser acompanhado por uma equipe multidisciplinar. Procure um profissional de saúde para te ajudar! 😉
      Abraços, querida.
      Nathália – Equipe Sophie

      Responder
      • Tenho compulsão alimentar há mais de 30 anos… Desde criança. A origem é por trauma. Fui vitima de abuso sexual quando criança, como não confiava em ninguém para falar do acontecido e me sentia muito desprotegida, culpada etc, comecei comer compulsivamente e tenho vivido com isso a vida inteira… Nestes últimos dias, inclusive hoje, tive muita compulsão por pipoca… Amo pipoca, mas não consigo preparar uma quantidade moderada… Ontem e hoje preparei paneladas de pipoca, como de forma apressada e sem parar até que acaba toda a pipoca, se estiver sozinha preparo mais e mais até acabar toda a pipoca que tenha em casa e a partir daí inicia o episódio compulsivo para comer outras coisas, não fico com sensação de saciedade… A pipoca é um dos gatilhos… Associo a pipoca com minha avó quando eu era criança… Foi sob os cuidados ou descuidados de minha avó que fui vitima de abuso sexual, minha mãe me deixou com ela e ela era caseira, muito humilde, muito pobre, muito ignorante, ela não tinha condições de cuidar de mim… Em fim, talvez essa relação entre a pipoca e os momentos com minha avó tenham algo que ver com o fato de eu não conseguir parar com esse alimento, ou talvez não… Não sei… Mas, quando penso em pipoca vem a imagem dela me fazendo merenda, que a propósito ela me dava comida em excesso… Ela e minha mãe, mulheres que foram abandonadas, pobres, humildes, sem estudos, sem apoio de ninguém, parece que só tinham esse mecanismo para mostrar amor, através da comida em excesso…Já tentei deixar de comer pipoca e não consegui… Gostaria poder controlar as quantidades… Até o momento não consegui preparar uma quantidade pequena… Alguém me recomendou praticar o perdão enquanto como a pipoca, porque como aparentemente é algo emocional relacionado com o abuso sexual e todos os prejuízos que isso tem trazido a minha vida… O conselho é que eu a cada pipoca perdoe minha avó, perdoe minha mãe, me perdoe a mim, inclusive que perdoe os abusadores, porque é algo que já passou e que eu devo superar e continuar com minha vida… Vou tentar fazer isso a próxima vez que comer pipoca, a pipoca do perdão. Espero que não seja muito doloroso… Segundo a pessoa que me aconselhou fazer isso, pelo menos vou ter que comer mais devagar, porque a cada pipoca devo emitir o discurso mental de perdão e porque motivos eu perdoo a pessoa e pensar em todas as emoções que possam surgir nesse momento e comer o grão de pipoca como sinal de paz e harmonia por ter conseguido liberar essa emoção tão forte, como se fosse uma trégua, como se fosse uma ação liberadora que me outorga o benefício de comer cada pipoca com paz no coração…

        Responder
        • Nathália Uliana
          1 de julho de 2021 12:34 pm

          Olá Ana!
          Agradecemos por compartilhar esse comentário conosco e sentimos muito por tudo que você passou.
          Sinta-se acolhida pela Dra. Sophie e sua Equipe.
          Nesse caso, recomendamos que busque ajuda de um profissional de saúde especializado. Lembrando que compulsão alimentar é um transtorno que precisa ser tratado por equipe multidisciplinar, tudo bem?
          Um abraço,
          Nathalia – Equipe Sophie

          Responder
  • FLAVIA CEZARIO MILAGRES DE MELO
    25 de junho de 2019 4:33 pm

    Gostaria de saber se há indicação de local para tratamento em Belo Horizonte. Atenciosamente, Flávia Melo

    Responder
    • Nathália Uliana
      26 de junho de 2019 10:50 am

      Olá Flávia, como vai?
      Você pode procurar pelo AMBULATÓRIO DE PSIQUIATRIA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG.
      Avenida Alfredo Balena, 110 – Bairro Santa Efigênia – Belo Horizonte – CEP 30130-100
      Telefone: (31) 3409-9458
      Você também pode encontrar profissionais que atendem seguindo a mesma linha da Dra. Sophie, é só entrar na Rede Sophie através do link: https://www.sophiederam.com/br/rede-sophie/
      Lá você encontrará profissionais de diversos estados do Brasil que foram capacitados pelo curso Nutricoach – Método Sophie.
      Abraços,
      Nathália – Equipe Sophie

      Responder
  • Fico muito tempo em casa mas vou mudar meu hábito é vou conseguir

    Responder
  • Fico muito tempo em casa e isso piora minha compulção 🙁

    Responder
  • Gostei muito destas dicas
    também tenho seguido um tratamento natural e tem sido muito bom
    Obrigada por toda a informação
    Joana

    Responder

Deixe um comentário para Nathália Uliana Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Para você
Curso online - Efeito Sophie no Comer Emocional

Vontade de comer doces no final do dia?
Conheça os vários tipos de fome e saiba lidar melhor com a fome emocional, aquela que te faz querer comer muitos doces quando chega o final do dia.

Cursos e programas para você

Descubra uma nova abordagem da sua alimentação e mude sua vida com essa metodologia aplicada em 3 cursos especiais.

É colega de profissão?

Descubra uma nova abordagem da nutrição e mude seu atendimento a pacientes.

Artigos Relacionados

Menu