Bem-estar

Quais são as doenças crônicas? Conheça as principais

A OMS (Organização Mundial da Saúde) define as doenças crônicas (DC) como “doenças de longa duração e de progressão, geralmente, lenta”  e o CDC (Centers for Disease Prevention and Control) nos EUA , define-as como “condições que não curam, uma vez adquiridas… e que duram 3 meses ou mais”
Existem vários tipos de doenças crônicas, mas as duas principais são:

  • Condições congênitas: (aquelas que já nascemos com a doença ou ela desenvolve nos primeiros meses de vida), são consideradas doenças crônicas, como a fenilcetonúria, espinha bífida e cardiopatias congênitas, por exemplo.
  • Doenças crônicas não congênitas: já o percurso dessas doenças é longo e muitas vezes o processo de cura é lento ou até inexistente, tornando uma condição permanente.

As doenças crônicas são transmissíveis ou não transmissíveis?

As principais doenças crônicas podem ser divididas em transmissíveis e não transmissíveis. A primeira tem início a partir de um processo infeccioso ou parasitário e a segunda é caracterizada pela progressão de acometimentos fisiológicos que acabam desencadeando a doença.
As doenças crônicas transmissíveis mais comuns são:

  • AIDS/HIV
  • Hepatite B / C
  • Doença de Chagas
  • Tuberculose

Sabendo quais são as doenças crônicas transmissíveis mais comuns, observamos que todas elas se desenvolvem a partir do contato com um agente contagiante, como vírus, bactérias e protozoários. Então, para evitá-las o ideal é não ter contato com esses agentes. Em alguns casos, como na hepatite B, é possível vacinar-se nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e o melhor é que não há nenhum custo ao usuário.
Na maioria dos casos, as doenças crônicas não transmissíveis estão ligadas ao estilo de vida, sedentarismo, alimentação desequilibrada, tabagismo e consumo de álcool são os principais fatores de risco relacionados ao seu aparecimento. Olha que interessante, todos esses fatores de risco podem ser modificados!

Principais doenças crônicas: quais são?

Listamos quais são as doenças crônicas não transmissíveis que mais se desenvolvem no mundo:

  • Asma;
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica (bronquite crônica, enfisema pulmonar);
  • Doenças cardiovasculares (hipertensão, insuficiência cardíaca, AVC, doença vascular periférica, entre outras)
  • Diabetes;
  • Câncer
  • Doenças renais crônicas;
  • Doenças neuropsiquiátricas (como depressão, distúrbios relacionados ao abuso de álcool e outras drogas, etc);
  • Doença de Parkinson e Alzheimer;

Além do estilo de vida outro fator de risco que deve ser considerado é a predisposição genética, por isso, sempre que possível saiba quais são as doenças crônicas dos familiares mais próximos (pai, mãe, avós, tios e irmãos).
Geralmente para o surgimento dessas doenças é necessária a exposição à mais de um fator de risco e embora a genética não seja modificável, todos os outros são!

Obesidade é uma doença crônica?

Você deve estar se perguntando: Dra. Sophie, na lista de “quais são as doenças crônicas” você não colocou obesidade! Eu sempre li que obesidade é uma doença.
Ótima pergunta!
A Organização Mundial de Saúde (2002) coloca a obesidade como uma condição que pode aumentar o risco de desenvolvimento de algumas doenças crônicas, por isso não podemos afirmar que pessoas obesas têm ou terão doenças crônicas, pois ela é um fator de risco, assim como a consumo de álcool, tabagismo, pressão alta etc.
Agora que você já conhece quais são as doenças crônicas e como elas se desenvolvem, lembre-se:
A melhor forma de preveni-las é manter hábitos saudáveis com um estilo de vida mais ativo, reduzir o estresse, reservar momentos para a prática de atividades prazerosas, ter uma alimentação equilibrada e variada!
Eu sou contra dietas restritivas e acredito que o “comer normal” é uma questão de optar por alimentos mais frescos e naturais, cozinhar mais e não fazer dietas. Quer entender melhor? Veja o vídeo do meu canal abaixo:

Mas voltando… caso a doença comece a se desenvolver, o diagnóstico precoce, mudanças no estilo de vida e acompanhamento profissional especializado são importantes, pois podem retardar o quadro, evitar a sua progressão e até reverter o quadro.
Sem a adesão adequada ao tratamento ela pode progredir com o desenvolvimento concomitante de outras doenças, o que poderia agravar o estado geral de saúde.
Mesmo para aqueles que já estão diagnosticados há algum tempo e necessitam de intervenção medicamentosa, as mudanças no dia-a-dia trazem muitos benefícios e auxiliam na estabilidade da doença e também melhora a qualidade de vida e o bem estar global do indivíduo.

Vamos melhorar nosso estilo de vida?

Falando em melhorar o estilo de vida, você já conhece o meu programa online Efeito Sophie? É um programa para fazer as pazes com a comida e o corpo com vídeo aulas, materiais e atividades para você colocar em prática no dia a dia.
Eu não falo sobre nenhum tipo de dieta ou restrição “milagrosa” nesse programa, minha missão é você voltar a ter equilíbrio na sua alimentação sem estresses e culpa. Comer deve ser um ato de prazer!
É possível ter um peso saudável comendo de tudo (mas não tudo)! Seguindo as dicas, você irá encontrar um caminho mais leve e que gradualmente (no seu tempo), te ajudará a chegar no seu peso saudável.
Vamos juntos nessa? Se inscreva no programa online Efeito Sophie!
E lembre-se, o programa não substitui um tratamento médico. Se você suspeita estar com alguma doença mais séria, aconselho que procure um médico para um diagnóstico preciso, combinado?
Saúde! Bon appétit!

21 Comentários. Deixe novo

  • olá minha filha tem 5 ano e hipotireoidismo congênito ela direito ao beneficio loas

    Responder
    • Olá Antônia, como vai?
      Agradecemos seu comentário aqui no Blog da Dra. Sophie. Para esse tipo de dúvida, solicitamos que entre em contato as Agências do INSS mais próxima da sua casa ou através do telefone 135.
      Esperamos ter ajudado.
      Um abraço,
      Nathália – Equipe Sophie

      Responder
  • SOFIA MARIA PONTIFICE
    17 de junho de 2020 11:26 am

    Boa tarde, em 2012 tive um aneurisma cerebral seguido de vaso espasmo agressivo.
    Estou a trabalhar mas tenho uma incapacidade de 76% definitiva. Fiquei com sequelas, afasia e astenia. Tenho problemas de tensão, mas estou a ser controlada.
    A minha pergunta é se sou doente de risco.
    Na expectativa de noticias de V. Exas., apresento os meus melhores cumprimentos.

    Responder
    • Nathália Uliana
      18 de junho de 2020 1:40 pm

      Olá Sofia!
      Agradecemos seu comentário e interesse pelo trabalho da Dra. Sophie.
      O ideal nesse caso, é procurar por um profissional de saúde. Em uma consulta presencial será possível ter um atendimento individualizado e tirar suas dúvidas para que você fique mais tranquila. 😉
      Um abraço,
      Nathália – Equipe Sophie

      Responder
  • Que tem endometriose e obrigado a tomar a vacina da gripe ou nao?

    Responder
    • Olá Tassya!
      Nesse caso, procure o seu médico(a). Uma consulta presencial é muito importante para um acompanhamento e ele poderá tirar suas dúvidas. 😉
      Um abraço,
      Nathália – Equipe Sophie

      Responder
  • NADIA RODRIGUES PIRES
    2 de janeiro de 2020 1:06 pm

    pancreatite cronica não se encaixa nas
    Principais doenças crônicas?
    tenho pancreatite cronica e meu pâncreas funciona apenas 20% e existe apenas um borrão nos exames quase nada… sofro de dores e procuro saber se tenho direitos de um benefícios? sabe me responder ?

    Responder
  • Sou funcionária pública é o médico me deu um atestado sugerindo que eu não pegasse peso não fazer esforço e não fazer movimentos repetitivos devido 4 hérnia ,espondilose e espondiolartrose mas a prefeitura recusou o atestado e falou que é pra mim continuar no mesmo serviço faxineira o que devo fazer

    Responder

Deixe um comentário para Antonia Carvalho Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Para você
Curso online - Efeito Sophie no Comer Emocional

Vontade de comer doces no final do dia?
Conheça os vários tipos de fome e saiba lidar melhor com a fome emocional, aquela que te faz querer comer muitos doces quando chega o final do dia.

Cursos e programas para você

Descubra uma nova abordagem da sua alimentação e mude sua vida com essa metodologia aplicada em 3 cursos especiais.

É colega de profissão?

Descubra uma nova abordagem da nutrição e mude seu atendimento a pacientes.

Artigos Relacionados

Menu