Alimentação Infantil

Saiba tudo sobre a obesidade infantil: vamos prevenir esse quadro?

É fato que tem pai e mãe preocupado com filho que não come; que dá trabalho na hora de almoçar; que não aceita verdura, nem legume, nem fruta. Mas na outra ponta, temos os pais que chegam aos consultórios querendo saber tudo sobre a obesidade infantil:

  • Como tratar?
  • Como prevenir?
  • Que tipo de dieta adotar?

Até 30 ou 40 anos atrás, o problema das crianças brasileiras era a desnutrição. Mas hoje o sobrepeso infelizmente é uma realidade, fazendo com que cada vez mais nossas crianças tenham que enfrentar “problemas de adulto” como risco de diabetes, colesterol alto, falta de disposição, problemas respiratórios e outros.
Esse cenário é resultado de muitos fatores e não tem uma causa só. Vemos que, com certeza, a urbanização acelerada que o Brasil enfrentou nas últimas décadas não ajudou.
Antigamente, as pessoas cozinhavam mais em casa, muitas vezes usando alimentos colhidos no próprio quintal.
Com o crescimento das grandes cidades, tivemos que mudar os nossos hábitos alimentares, e passamos a depender mais da indústria alimentícia, que nos providencia uma oferta prática e higienizada. E hoje temos uma infinidade de opções com vários graus de processamento do minimamente processado aos ultraprocessados. Também houve uma mudança no nosso estilo de vida e no comportamento diante da comida.
E não é só por aqui: em vários países, especialistas discutem exaustivamente tudo sobre a obesidade infantil e formas de combater esse quadro. Os números são de fato preocupantes.

Dados sobre a obesidade infantil

Um estudo conduzido pelo Imperial College London e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostrou que, nos últimos 40 anos, o número de crianças e adolescentes obesos, na faixa etária entre cinco e 19 anos, aumentou dez vezes em todo o mundo.
Se nada for feito em termos de prevenção, em 2022 haverá mais crianças e adolescentes com obesidade do que com desnutrição moderada e grave.

Tudo sobre a obesidade infantil: o poder dos alimentos

Eu sei que os números não são animadores. Mas estou aqui justamente para apoiar os pais que estão interessados em compreender tudo sobre a obesidade infantil, e para mostrar que é possível mudar essa realidade.
Então vamos começar pelo princípio básico: criança e adolescente não tem que fazer dieta restritiva.
Muitos pensam que o segredo para emagrecer é “fechar a boca e malhar”, mas isso é totalmente equivocado. Especialmente nessa fase da vida em que o corpo depende de uma boa alimentação para se desenvolver!
Se você está preocupado e querendo saber tudo sobre a obesidade infantil, saiba que não fazer dieta restritiva é uma recomendação que serve tanto para prevenir quanto para combater o excesso de peso!
Passar fome e comer menos do que o organismo está pedindo é ruim tanto no aspecto físico quanto psicológico.
Está comprovado cientificamente: fazer dieta aumenta a fome, diminui o metabolismo e faz com que a criança fique cada vez mais obcecada por alimentos.
Ela também pode acabar perdendo a noção de fome e saciedade, já que é privada de comer quando tem vontade. Dessa forma, também pode vir a  desenvolver um comer emocional.
Além disso, é bom saber que o comportamento é tão importante quanto o nutriente!
Comer em paz e respeitando a fome é tão importante quanto comer legumes e frutas. Se o seu filho leva uma bronca toda vez que quer repetir o prato, acaba associando a fome e a comida a sentimentos negativos, como culpa e ansiedade.
Isso eleva o risco de ele passar a comer escondido, tentar fazer dieta por conta própria, se privar de comer e até desenvolver um transtorno alimentar.
Precisa de dicas para organizar lanches saudáveis para seus filhos? Então veja o vídeo abaixo:

Tudo sobre obesidade infantil: o papel dos pais

Outra coisa importante para criar seu filho tendo uma boa relação com a comida é tirar um pouco do peso das costas dele.
Muitas crianças que estão na obesidade ou com sobrepeso vêm de um ambiente familiar que já tem uma relação conturbada com os alimentos e com o próprio corpo, muitas vezes, com histórico de dietas fracassadas.
Está nas mãos dos adultos responsáveis (pais, mães, tios, avós, professores, etc.) rever o estilo de vida e tentar mudar alguns hábitos para o bem da saúde de todos.
Algumas dicas que fazem toda a diferença e podem trazer resultados excelentes em poucas semanas:

  • Comer junto à mesa e com a TV desligada;
  • Comer mais comida fresca e caseira;
  • Ter mais alimentos frescos ou minimamente processados à disposição: variedade de frutas expostas, cortadas e já lavadas; nozes, castanhas e amêndoas; bolos e biscoitinhos caseiros, jarras de água pura ou saborizada com frutas; chás naturais, iogurte natural, queijos, etc.
  • Ter menos alimentos industrializados à disposição: iogurtes aromatizados e sucos adoçados, bolos industrializados, bolachas recheadas, doces em excesso, refrigerante, etc.
  • Ter uma rotina de vida e alimentar: horários para comer, brincar, dormir e se não conseguem fazer as principais refeições do dia juntos à mesa, pelo menos uma no final de semana! Isso já ajuda muito!
  • Ter um sono de qualidade, com hora pra deitar: isso influencia muito a saúde e o peso;
  • Menos TV, tablet, celular e videogame. Mais brincadeira, pular corda, andar no parque, brincar com cachorro, fazer piquenique ao ar livre, praticar esportes, nadar…
  • Tirar o foco só do peso, para não criar uma pressão ainda maior. Falar de saúde, da importância de se alimentar bem e ser ativo!

Eu sou contra as dietas restritivas. Alimentar-se corretamente significa, entre outras coisas, comer de tudo um pouco. Para ajudar nesse processo de alimentação familiar, eu, em parceria com a nutricionista Janaína Kühn Barni, criamos o programa online Efeito Sophie na Alimentação Infantil.
São quatro semanas de vídeos e materiais online, que te guiarão passo a passo transformando a alimentação da sua família de maneira realista e gradual, respeitando os ciclos de fome e saciedade da criança e da família.
Se você precisa de ajuda para saber como:

  • Lidar com o comportamento alimentar da criança
  • Entender quais as mudanças alimentares são importantes para sua família
  • Planejar uma rotina alimentar que funcione
  • Criar oportunidades para apresentar novas texturas e sabores

Então, acredito que esse programa online irá te ajudar. Comece agora o programa online Efeito Sophie na Alimentação Infantil!

Dica extra

Se você quer saber tudo sobre a obesidade infantil, recomendo muito também o documentário Muito Além do Peso, que está disponível no Youtube.
Este é um conteúdo bem importante para entender o quanto a cultura de comer produtos industrializados está instaurada nas famílias brasileiras, e o quanto isso pode ser prejudicial para a saúde dos pequenos.
Entretanto, sou contra radicalismos de todo o tipo e não estou aqui para demonizar os alimentos industrializados! Sei que muitas vezes eles são uma opção na correria.
No entanto, já está cada vez mais comprovado pela ciência que uma das melhores forma de alcançar um peso saudável é fazer as pazes com a comida, comer mais alimentos in natura e respeitar sua fome.
Resumindo, anote minhas 3 principais dicas:

  • Diga não as dietas
  • Coma mais alimentos in natura, menos industrializados
  • Cozinhe!

Se você cria em casa um ambiente de paz com a comida, com rotinas e qualidade alimentar, você vai acostumar o paladar do seu filho desde cedo a gostar dos alimentos em sua forma mais natural. Comece agora! Assim, você dará para seus filhos maiores chances de um crescimento saudável, sem sofrer com sobrepeso, culpa, transtornos alimentares, bullying e diversos outras questões ligadas à obesidade.
Ou seja: um cuidado a mais que você tem agora, que ele levará para toda a vida!
Bon appétit!
Agora que você já sabe tudo sobre a obesidade infantil e como agir nessa situação, veja também esses outros artigos que separei para você:

E você, o que tem feito para manter uma alimentação equilibrada em família? Compartilhe aqui no espaço de comentários com a gente:

4 Comentários. Deixe novo

  • Vera Irene Bekin
    5 de março de 2021 10:33 am

    olá Sophie,
    quero ajudar uma pessoa de baixa renda, com filho de 9 anos obeso e diabético por onde começar ?

    Responder
    • Nathália Uliana
      17 de junho de 2021 4:22 pm

      Olá Vera!
      Agradecemos seu comentário aqui no Blog da Sophie. Acreditamos que o melhor a ser feito por essa criança é buscar auxílio de um profissional de saúde. Em uma consulta será possível prestar um atendimento e tratamento individualizado para ele.
      Um abraço,
      Nathália – Equipe Sophie

      Responder
  • Paulo Roberto Melo Farias
    28 de março de 2019 8:13 am

    Sophie, bom dia!
    Pessoas como você ajudam o mundo a ser melhor, parabéns.
    Penso que a vocação de mulheres e homens deve ser sempre a de procurar amar ao próximo, pois, o {[(“AMOR ao PRÓXIMO”]} é a ÚNICA ferramenta que nos torna humanos e divinos, mesmos com TODAS as nossas diferenças.. Sabemos que o mundo só será melhor quando aquilo que buscarmos for o melhor para TODOS.
    Glória e graças a Deus porque pessoas como você existem.
    Grato.

    Responder
    • Olá Paulo, tudo bem?
      Agradecemos o carinho com a Dra. Sophie. Ficamos extremamente felizes com esse feedback! É sinal de que estamos no caminho certo. 😉
      Um abraço, querido.
      Nathália – Equipe Sophie

      Responder

Deixe um comentário para Vera Irene Bekin Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Para você
Mentoria online para pais - Meu filho sem obesidade e sem T.A.

O melhor presente que você poder dar para seu filho e crescer em paz com a comida e o corpo!
Participe da mentoria.

Cursos e programas para você

Descubra uma nova abordagem da sua alimentação e mude sua vida com essa metodologia aplicada em 3 cursos especiais.

É colega de profissão?

Descubra uma nova abordagem da nutrição e mude seu atendimento a pacientes.

Artigos Relacionados

Menu